As Time Goes By…

Casablanca

Por José Eduardo Ribeiro Nascimento

É interessante como alguns filmes nos marcam distintamente, de modo que se tornam para nós referências para comparar ou avaliar outros filmes. Quando assisti a Casablanca pela primeira vez não sei bem o que senti, mas fiquei impressionado. Este filme é um dos mais queridos dos Estados Unidos, e não é difícil entender por quê.

Casablanca se passa nos idos de 1941, em plena 2ª guerra. A Europa está condenada, os Nazistas reinam intocáveis e no meio deste cenário caótico surge Victor Laszlo, um líder da resistência Tcheca, que tenta fugir para os EUA para lá continuar seus trabalhos. Casablanca, cidade ao norte do Marrocos, é um entreposto para quem quer fugir, por ser em solo livre Francês a Gestapo não é tão influente. E é aqui que começa o charme do filme. Laszlo é um personagem muito interessante, um cara perfeito: luta por grandes ideais coletivos, odeia os nazistas e sempre age de maneira a encará-los, não perde a cabeça quando descobre que sua esposa o traiu, mas a perdoa sem vacilar. É o típico herói americano: Alto, um magro atlético, nem feio nem bonito. Para os americanos, numa época em que todo mundo temia e odiava os nazistas, ver alguém que os combatia sem temer as conseqüências foi um golpe de mestre dos roteiristas.

Para fugir da Europa com sua esposa Ilsa, Victor vê sua única esperança em Rick Blaine, um cínico e amargo americano que não arrisca o pescoço por ninguém. Outrora Rick teve um caso com Ilsa que durou alguns dias e acabou em tristeza e decepção. Desde então ele se tornou um personagem que todos gostamos em filmes: Um cara solitário, amargo, com respostas inteligentes e perspicazes, o anti-herói. Rick não confia em ninguém, talvez apenas em seu pianista, Sam, que está com ele desde que o filme pôde lembrar. Nas mãos deste homem miserável é que está toda a chave para o desenrolar da história. Ou para o bem ou para o mal, suas decisões influenciarão a todos.

A própria Ilsa é uma personagem muito interessante. Apesar de ser apaixonada por Rick, ela mostrou ser uma mulher forte, tentando ao máximo tomar as decisões mais difíceis de uma forma justa e comedida. Uma pessoa presa ao passado, mas tentando viver um futuro.

Eu particularmente gostei muito do Capitão Renault, o chefe de polícia francês. Ele é responsável por alguns dos melhores diálogos, muitas vezes com Rick, como esse abaixo:

– Este é o fim da perseguição – Renault referindo-se a Laszlo.

– Vinte mil francos dizem que não.

– Isso é uma oferta séria?

– Eu perdi vinte. Gostaria de recuperá-los – Rick com um pequeno sorriso no rosto.

– Fiquemos em dez. Sou apenas um pobre funcionário corrupto.

Renault mostra muito da vida em Casablanca, a corrupção, a esperteza que se desenvolve numa terra cheia de desesperados. Sua figura foi indispensável para o bem fluir da história, muitos de seus diálogos vieram em horas bem-vindas, pois sempre foram carregados de ironias e piadinhas. Falso, sínico e bajulador, Renault foi uma ótima criação e muito bem encarnado pelo ator. Esses quatro formam o círculo central da história, dois ótimos protagonistas (Rick e Ilsa) e dois grandes coadjuvantes (Renault – indicado ao Oscar, e Victor Laszlo).

Com personagens interessantes e uma trama simples, mas muito bem contada, Casablanca fez um sucesso que a crítica não esperava na época. O filme foi realmente muito bem feito, em todos os mínimos detalhes. A fotografia é muito boa, e dá pra perceber os recursos que se usavam quando não se fazia cinema em cores. O contraste entre as cenas dá um charme especial. O brilho foi muito usado em cenas com a atriz Ingrid Bergman (Ilsa): seus brincos lágrimas, cabelos e até a pele, irradiavam uma luz forte dependendo da cena. Essa “maquiagem” que os editores deram dá muito mais emoção quando se assiste aos filmes.

Outro ponto é o dos cenários. Os produtores do filme não dispunham de grandes recursos, os próprios atores estavam mais preocupados em acabar logo de filmá-lo para fazer outros trabalhos. O filme passa-se, em pelo menos 60% do tempo, no bar de Rick. E se formos calcular os cenários diferentes, a conta não ultrapassaria o primeiro dígito. Essa foi uma das coisas que mais me chamou a atenção. O filme, totalmente baseado em diálogos interessantes, nunca se deu ao luxo de tornar-se monótono. Os diálogos foram muito bem escritos, de uma forma que os inteligentes falavam bem, e os “menos espertos” soltavam frases comuns e sem efeito. Muitos filmes pecam no sentido de achar que todos têm uma esperteza sobrenatural, tornando-se muito superficiais. Existem autores que colocam vendedores de rua que dão lições filosóficas sobre a vida. Em Casablanca é cada um no seu lugar.

Foi criado um grande menu de frases de efeito. Há diálogos que ficam na memória, como o que Rick teve com um vigarista:

– Você me despreza não é Rick?

– Se ao menos pensasse em você talvez o desprezasse.

Outras como: “Ainda teremos Paris.” (referindo-se ao momento em que tudo estiver acabado), e “estou de olho em você, menina”, viraram jargões e são imitadas até hoje.

Outro fator importante em um filme é a música. Existem temas que ainda estaremos a cantarolar vários dias depois do filme, e Casablanca tem o seu. A música “As time goes bye” de Herman Hupfeld, foi tocada e cantada por Sam, o pianista, em vários momentos do filme, e simboliza o amor de Rick e Ilsa. É uma música belíssima que passa realmente a frustração, a tristeza e, ao mesmo tempo, o sentimento que une o casal.

O filme não é sobre o nazismo, é sobre um amor que não pode ser realizado. Mas mesmo assim aquele está presente de uma forma marcante. O Major alemão, da Gestapo, está sempre procurando uma forma de pegar Laszlo, e também não é amigável com Rick. E, como não podia ser diferente, os alemães se dão muito mal no decorrer do enredo. Há, por exemplo, um momento em que os alemães estão cantando uma música do 3º Reich. Laszlo chega e começa a cantar o hino francês, a Marselhesa, que é símbolo da revolução, e todos seguem Victor e os alemães param de cantar humilhados. Além disso, no final do filme o Major da Gestapo não se dá muito bem.

Esses detalhes, como o dos franceses e americanos ganhando dos alemães, mostram o quanto o filme “veio bem a calhar” naquela época. O roteiro foi escrito para ser um romance comum, mas ao mostrar como era a vida em Casablanca, o diretor do filme – Michael Curtiz – deixou alguns personagens com características fortes. Por exemplo, em contraparte ao Capitão Renault que era um francês corrupto, os soldados e cidadãos franceses foram caracterizados pelo amor a pátria e pela não submissão ao poder nazista da cidade. Assim, com essas pequenas “jogadas”, o filme foi conquistando cada vez mais simpatizantes.

Com certeza o objetivo dos criadores do filme foi o de fazer um filme para americanos. Mas acabaram por criar um dos maiores filmes da história. Por todos esses fatores Casablanca é um filme indispensável, um romance, um drama, um filme que retrata uma época. Indispensável para os apaixonados por filmes, e até para aqueles que só buscam algumas horas de diversão, Casablanca se mostra sempre atual, mostrando que o que é bom sempre o será, mesmo com o passar do tempo…

Anúncios

10 Respostas para “As Time Goes By…

  1. Casablanca foi um dos filmes que fizeram com que, ao terminar de assistir, eu me sentisse feliz e grato por ter tido a oportunidade de ver algo tão bom. É um sentimento bem parecido com aquele de terminar de ler um livro espetacular. Não dá para descrever muito bem, mas a lembrança do que senti ficou gravada em minha memória.

    Em Casablanca tudo é clássico. Obviamente nenhum de nós, componentes do blog, somos cinéfilos, mas quem quer que tenha um mínimo de bom senso, ao ver Casablanca compreenderá, instantaneamente, que não se trata de um filme trivial.

    Sou fã de filmes noir: mulheres fatais, homens amargurados e egoístas, mas ao mesmo tempo capazes de grandes atos de bondade, atmosfera triste e sem esperança, diálogos perspicazes… Casablanca, apesar de não ser um filme noir, traz esses elementos, aliados a um roteiro incrível, repleto de diálogos antológicos, como falou Eduardo, mas, principalmente, personagens inesquecíveis. Rick, Laszlo, Ilsa, o Capitão, todos têm vida, têm estilo, nos conquistam e fazem com que queiramos que o filme dure pelo menos um pouquinho mais.
    Acho que esse é um mérito de bons filmes – um critério meu, ressalto: a saudade que se sente logo que o filme acaba. Uma espécie de amargura ou nostalgia, não sei descrever bem, por saber que aqueles acontecimentos, aqueles fatos, aquelas pessoas, se encerram naqueles 120 ou 130 minutos, e que por mais que eu quisesse ouvir Ilsa, ver Victor discursando, isso será impossível, visto que a película é finita.
    Que bom então que nossa imaginação, não! Assim, mesmo após tantos anos, Casablanca, a exemplo de tantos outros belos filmes, é visto, admirado e discutido.
    Com o passar do tempo, como bem brincou Eduardo, vamos aprendendo a reconhecer o valor do que é bom.

    Parabéns pelo belo texto, Eduardo!

  2. Também tive essa sensação leonardo, quando terminei de assistir ” Pacto dos Lobos”; Monica Bellucci, meu Deus!!! ( brincadeirinha). Deixando as brincadeiras de lado, preciso elogiar a escolha do Eduardo: Parabéns! Um dos melhores filmes de todos os tempos. De todos os detalhes que o filme apresenta, sem dúvida alguma aquilo que me chama mais atenção é o efeito colocado no rosto da personagem. Acho esse detalhe fascinante; e é nesse momento que percebemos como o diretor, o figurinista, diretor de arte, fotografia, devem estar em comunhão . Cada integrante deve estar em sintonia e harmonia com todos que fazem parte da construção da cena. Casablanca também prova algo interessante, de que não é necessário quantias exorbitantes para se fazer um filme brilhante.

    Gostei do texto Eduardo. Você conseguiu passar para o leitor o que toda sua fascinação pelo filme. Espero que todos tenham a oportunidade de ver essa maravilhosa obra de arte.

  3. Sinceramente, pensei que um tipo de filme como esse, envolvendo fatos históricos como a segunda guerra mundial ou os nazistas, seria um estilo abordado por Reinaldo Filho, por já ter um certo conhecimento nessa área. Mas Eduardo soube argumentar e relacionar muito bem, o enredo do filme com os fatos históricos. Todos os detalhes abordados, desde as peculiaridades dos personagens, ou quando fala das características do filme(poucos cenários, a boa trilha sonora, diálogos brilhantes etc) e até mesmo quando relaciona com outros filmes. Como no próprio caso dos diálogos, onde somente as pessoas realmente inteligentes conseguem formar uma boa linha de raciocínio e criar frases de efeito, não é qualquer um que consegue ter a inteligência de expressar seus pensamentos de forma tão astuta. E foi justamente essa observação que me chamou mais atenção. O fato de que muitos filmes, passam uma idéia utópica que todos, desde a monarquia até a plebe, tem grandes lições de vida para passar às pessoas. Deve ser interessante ver um filme onde aqueles que sabemos que são inteligentes falam bem, e os demais “limitam-se à sua ignorância”.

    Muito boa crítica, parabéns pelo texto!

  4. Amei seu texto Edu. Parabéns!
    Você soube expressar os pormenores do filme sem muito prolongamento e não deixou de fora nenhuma informação, nenhum detalhe importante. Falou de tudo, da fotografia do filme até o que ele representou para a sociedade da época. Não esqueceu nada.
    Casablanca é realmente um filme muito bom, desses em preto e branco que não perdem o “brilho” e não apelam para outras coisas para ser bom. Pelo contrário, tem muitos momentos que exige até um certo conhecimento de quem lhe assiste para compreender melhor um acontecimento, uma piada. Sem contar com o fundo romântico que a história traz.

    Parabéns de novo, meu amor. Seu texto ficou perfeito!

  5. Parabéns Eduardo, bela critica.Quando se fala que o filme e preto e branco logo julgo que o filme não será bom assim julguei o seu.Gostei bastante principalmente porque não segue somente uma linha de raciocínio, e sim uma mistura de romance com brigas, diversão como você mesmo falou.
    Também despertei o interesse para assisti-lo.

  6. Rapaz, apesar de ser um filme antigo, da maneira como você contou, deu a aparência de este realmente ser um filme muito bom. É incrivel a diferença que faz num filme quando um texto é muito bem bolado, dá a impressão de que os protagonistas são verdadeiros poetas, isso eleva muito o nivel de um filme, pois evita as conversas desnecessás no decorrer do enredo, assegurando que este não se tornará cansativo.

    Achei interessante também o fato de que por o filme ser antigo, os produtores mesmo assim souberam aproveitar esses componentes cinamatográficos ainda arcaicos para dar um “polimento” nas cenas dando realmente a impressão de que nas cenas do filme não havia nada faltando.

    Parabéns Eduardo. Apesar de antigo é um filme de exelente qualidade e você soube descrevê-lo muito bem.

  7. “Apesar de antigo”? Você quer dizer, Vinícius, que filme antigo, via de regra, é ruim? Apesar de não ser cinéfilo, garanto-lhe: não existe vinculação alguma entre idade e qualidade do filme. O filme não é clássico ou bom porque é antigo, nem bom porque foi feito com a mais recente tecnologia. Se Assim fosse, o cinema só lembraria de Transformers e ninguém mais ouviria falar de Cidadão Kane.

  8. Tudo falação!!! Tentar convencer os leitores que esses “filminhos” de Michael Curtiz, Orson Welles, Stanley kubrick são genias, é pura falação! Cinema de verdade encontramos nas incríveis cenas dramáticas de JEAN-CLAUDE VAN DAME no clássico – incomparável – O Grande Dragão Branco. Quem tiver tempo acesse e veja o que realmente significa interpretação.

    É muito bom!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s