Enquanto não caio

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

O conto que escrevi é um exercício inspirado em dois escritores que me conquistaram definitivamente: William Faulkner e Cormac McCarthy, em especial este último. Assisti em 2008 um filme genial dos irmãos Coen (meus cineastas favoritos): “No country for old men”, traduzido para o português como “Onde os fracos não têm vez”. Depois do blog e depois de ter lido “Como e porque ler”, de Harold Bloom é que descobri que o filme foi inspirado (na verdade, praticamente transposto) do livro homônimo de McCarthy.

Esta ideia da inevitabilidade, de um poder arrasador e invencível, à Herman Melville, me seduz, e a forma crua e quase que desesperançada com que os acontecimentos se sucedem são fascinantes. Após ler o livro e ver dois textos seguidos de Reinaldo sobre a velhice “A rosa que um dia foi” e “Reminiscências de um avô sobre uma bebê”, resolvi fazer a minha parte.

O conto que se segue é um exercício, como falei, mas foi escrito com muito prazer. Gostaria bastante que quem o ler tenha a mesma satisfação que eu tive ao escrever. Como é próprio de quem escreve, há memórias que são minhas, especialmente as descrições da infância na casa dos avós.

Não coloquei o texto diretamente aqui no blog porque ele é longo demais para os padrões da internet. Quem quiser se aventurar, clique no link abaixo e leia meu texto no formato pdf. Sinta-se convidado para deixar a sua opinião.

Enquanto não caio

Anúncios

Uma resposta para “Enquanto não caio

  1. Eu li.

    Posso dizer isso com grande satisfação, principalmente por também ter lido “Onde os fracos não tem vez” e estar lendo Luz em Agosto. Para quem leu sabe como Leonardo foi feliz em homenagear esses dois grandes da Literatura.

    Buscando pedaços de memória – semelhante aos retalhos em uma concha feitos pela nossa Mãe artesã (não é um Faulkner mas já é alguma coisa kkkkkkkkk) -, o Leo construiu uma estória rica em detalhes e, principalmente, inquietante ao tempo que angustiante.

    A melhor e mais “real” parte da obra, como havia falado com ele, foi a descrição de uma moça saindo do banho. A preparação para a cena posterior ficou perfeita.

    Não preciso no final dizer parabéns. Congratulations.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s