Disney: Clássicos da literatura – volume 1

Por José Eduardo Ribeiro Nascimento

Foi às bancas no último dia 20 de maio o volume 1 da coleção Disney – Clássicos da literatura, uma homenagem muito bem-humorada a alguns dos grandes clássicos mundiais. Esse trabalho é fruto de um grande trabalho de pesquisa e catalogação de todas as estórias Disney protagonizadas pela turma de Patópolis, muitas delas inéditas no Brasil, como é o caso das três histórias deste volume 1.

Donald e os Três Mosqueteiros
História produzida em 1957
Roteiro de Guido Martina e arte de Pier Lorenzo De Vita
62 Páginas

HQ Inédita no Brasil

Donald e o Máscara de Ferro
História produzida em 1984
Roteiro de Frank Gordon Payne e arte de Francesc Bardagà Studio
26 Páginas

HQ Inédita no Brasil

Donald e o Capitão Fracasso
História produzida em 1967
Roteiro de Guido Martina, desenhos de Romano Scarpa e arte-final por Giorgio Cavazzano
59 Páginas

HQ Inédita no Brasil

Já no primeiro volume uma surpresa muito boa: histórias baseadas em Os três Mosqueteiros, O Máscara de Ferro e O Capitão Fracasso. Esse último eu desconhecia totalmente a existência (não sei se isso é prova de ignorância), mas os outros dois fazem parte dos meus preferidos, apesar de ainda não ter lido O Visconde de Bragelonne (está na minha lista, juntamente com Vinte Anos Depois), acompanhei D’artagnan e seus amigos em suas aventuras, e aprovo a qualidade da literatura de Dumas, um de meus autores favoritos, sendo também um dos mais representados nessa coleção, dividindo a qualificação com Shakespeare, ambos com três Histórias (do primeiro temos Os três Mosqueteiros, O Máscara de Ferro e O Conde de Monte Cristo, de Shakespeare aparecem Hamlet, Otelo e A Megera Domada).

A qualidade da revista é muito boa, com papel de boa qualidade; a capa é bonita com um colorido muito bonito. Logo na introdução doa revista há uma apresentação em três páginas falando um pouco sobre os autores originais e sua obra (neste caso Alexandre Dumas e Théophile Gautier). A introdução é breve, mas cumpre seu papel de sanar algumas curiosidades e situar os leitores sobre como e quando foram criados os contextos originais.

Outro fato importante dessa edição número 1, é que ela vem comemorando o aniversário da revista mais antiga ainda em publicação no Brasil, sendo também a primeira revista da editora Abril: O Pato Donald, que faz 60 anos agora no Mês de julho/2010. A edição acompanha um Fác-símile do nº 1 da revista, um presentão para os fãs!

Como não poderia deixar de ser, as histórias são recheadas com o humor característicos do Tio Patinhas e sua turma. Na 1ª história Donald D’artagan se aventura em uma missão para a rainha. Nesse meio tempo ele contracena com Hugo Atos, José Portos, Luís Aramis e Patinhas Trintevilles (Huguinho, Zezinho, Luizinho e Tio Patinhas), e até Pardal e bandidos “primos” dos metralhas dão uma palhinha, sem contar um índio chamado Águia Tagarela (peraí, índios americanos na França do séc. XVII?), um personagem  sem explicação – na verdade com explicação bem típica do universo patopolense, mas com cenas bem cômicas. Há encontros com a rainha, o duque Narciso de Patinghan (Buckingham no original), e uma luta contra os soldados do Rei. Em O Capitão Fracasso há um crossover no universo Disney, com Donald contracenando com Branca de Neve e seus sete anões, e dois pilantras saídos da história de Pinóquio, com várias aventuras originais.

As histórias são divertidas, e devem fazer os fãs se emocionarem (falo sério, sou fã e ainda não consigo conter a felicidade de ter uma revista tão bonita). Toda semana será lançado um novo número, num total de 20. A próxima edição trará homenagens aos livros A Ilha do Tesouro, Marujos Intrépidos e O Fantasma de Canterville. Assim que tiver meu exemplar nas mãos, farei uma resenha aqui no blog.

Anúncios

4 Respostas para “Disney: Clássicos da literatura – volume 1

  1. Que legal!!!!

    Veio à memória agora minha infância na companhia de Huguinho, Zezinho e Luizinho e companhia. Recentemente os quadrinhos voltaram a habitar meu dia-a-dia, com a descoberta da leitura por André, meu filho de seis anos, mas ele lê a Turma da Mônica. Não vejo a hora de ler esse exemplar (e todos os outros, por isso espero que você complete a sua coleção :D).
    Quadrinhos definitivamente são cultura de alto nível, e neste caso em especial atraem jovens leitores para os clássicos.

  2. Quando eu era pequeno, consegui alimentar uma coleção imensa de revistas da Disney e era comum que eles lançassem almanaques especiais com versões particularíssimas (e cômicas, acima de tudo) não somente de grandes clássicos da literatura, como também de filmes em evidência, algo que, aqui no Brasil, a revista em quadrinhos d’Os Trapalhões também fez muito bem… Li diversas neste sentido, na fase áurea desse tipo de revistinhas, hoje em dia esquecidas pelas crianças hodiernas: quando foi a última vez que uma criança foi vista pedindo ao pai para comprar uma revista da Mônica? Criança mesmo, faz tempo que não vejo, de maneira que este tipo de prazer pueril e nostálgico fica reservado a nós, os mais velhos…

    pelo sim, pelo não, tenho certeza de que as estórias satirizadas pela trupe do pato milionário causarão risadas mui satisfatórias para quem, em especial, conhecer as tramas originais e entender as referências chistosas que eles destinam nas páginas… Parabéns pela aquisição, portanto! As fotografias acostadas realmente revelam a boa qualidade gráfica do material!

    O que me fez lembrar de uma edição canônica de DIDI VOLTA PARA O FUTURO que eu tinha até um tempo desses… Genial (risos)

    WPC>

  3. Uma coisa engraçada que acontece é que, como compro regularmente as revistinhas, quando entro no ônibus as pessoas ficam olhando, hora para minha cara de marmanjo, hora para as revistinhas ditas infantis. Grande parte do desinteresse da juventude pela leitura de revistinhas hoje em dia se dá pelo preconceito que se dá com esse tipo de literatura. Coisa de criança, infantilidade; isso em uma época em que as crianças buscam diversões cada vez mais adultas (lembro que eu brincava de carrinho, bonecos policiais, power rangers, soldados, índios etc., não me lembro da última vez que vi uma criança se divertindo como eu me divertia na infância. As brincadeiras estão ficando cada vez mais eletrônicas. Não se lê mais estórias de cavaleiros e dragões, se assisti a filmes 3D.

    Voltando à revista, esta coleção foi criada voltada especialmente para os fãs antigos, hoje adultos. Em tudo na revista se percebe isso, seja nas páginas introdutórias, no próprio tema da coleção, desenhos antigos, o brinde da primeira edição, (a revista nº1 do donald tem estórias em preto e branco). Nisso e em outras coisas se percebe um objetivo de agradar aos fãs e colecionadores, e não simplesmente de buscar novos adeptos.

  4. So uma coisa pecou… a colagem das paginas nao ficou muito boa.
    Soube desta colecao a partir do numero 25 e comecei a comprar desde entao.
    Os numeros antigos peguei o maximo que pude deles na loja da abril e o resto pelo mercado livre, onde tive que pagar 100% mais caro.
    Infelizmente da propria loja da abril o volume 16 veio com um pequeno rasgo na capa, vou compra-lo de novo, pois ainda estea disponivel na loja.
    Grande lancamento, como as obras completas de Carl Barks. Porem deixou a desejar na colagem das paginas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s