Terror em Terra Vermelha – Parte IV

Por José Eduardo Ribeiro Nascimento

O corpo havia desaparecido.

Romualdo não conseguiu pregar os olhos. Sua mente perambulava em pensamentos estranhos, hora por conta da mulher e sua cesariana macabra, ora pela saraivada de comentários infelizes e gargalhadas de que foi alvo algumas horas antes. Sem conseguir se conter, acordou e pulou da cama com tanta violência que acordou seu irmão, Joaquim. Gastou algum tempo convencendo o irmão a acompanhá-lo, e rumaram pra encruzilhada.

Felizmente havia sangue suficiente para convencer Joaquim de que algo grave havia acontecido ali. Pedaços de vidro decoravam o capim pisado, a luz da lua no sangue negro dava uma sensação fria e paranoica ao ar. A estrada escura seguia pelos quatro lados, e, lá na frente, as copas das grandes jaqueiras balançavam furiosamente, embora o vento estivesse parado.

Não voltou a ver aquela mulher, ou o macumbeiro.

*************

Romualdo acordou cedo, como de costume, e saiu com sua espingarda de chumbo, calibre trinta e seis, em uma mão, alforje nas costas, e uma panela na outra; a vaca e seu bezerro, preso no dia anterior, esperavam ansiosos por ele. Sentou num toco de jaqueira, que lhe servia muito bem como banco todas as manhãs, e começou a tirar o leite. A vaca já estava acostumada a essa rotina, e se concentrava em desempenhar bem sua função.

Os primeiros raios matutinos apareciam na madrugada fria. Romualdo pensava em seu dia de trabalho: cercas para acertar, roça para capinar, “a fonte esta cheia de lama” – pensou. Seu pensamento pulou para seu casamento que viria dali a duas semanas. Sua noiva era professora em uma escola no município vizinho, e lutava para que fundassem uma nova escola na cidade. Era uma mulher culta, e havia se formado na capital. O pai de Romualdo, para sua felicidade, lhe havia ajudado a construir sua casa nos terrenos da família, e Romualdo agora lembrava que deveria reservar um tempo para arrumar algumas coisas em seu futuro lar. Havia muita coisa, e pouco tempo. “Vou lá, à noite, e acerto as coisas à luz do lampião. A cerca é que não dá para fazer de noite”.

O dia passou como de costume. Romualdo era um desses seres humanos raros que se divertia com o trabalho duro. Ruminar seus pensamentos e planos, ouvindo apenas as estocadas de sua enxada, ouvindo o bezerro passear pelo capim e os pássaros aproveitarem a espingarda recostada na jaqueira. Costumava fazer esses trabalhos de manutenção sozinho; Joaquim, seu irmão, fora para o sul do país no pau de arara tentar a vida longe dos pais, sua irmã se casara e seu outro irmão, mais velho ____, já havia tomado, também, outros rumos para sua vida. Seu pai costumava produzir e vender tabaco nas feiras, trabalho que lhe tomava grande parte do tempo. “Tanto melhor – pensava Romualdo – qualquer um deles só me atrapalharia, minha vida vai bem. Família só presta longe.” Embalado por esses pensamentos, o dia de trabalho ia chegando ao fim. Reservou meia hora para matar algumas rolinhas que se arriscaram na fonte, e tomou o rumo de casa, comentou seu progresso no trabalho com o pai, pegou farinha, feijão, arroz e dois lampiões e rumou pra sua futura residência.

Chegou lá decidido a acertar o piso no quarto que faltava. A casa fora antes um depósito, e, adaptada com algumas paredes propiciava uma casa aconchegante, para os padrões vermelhenses. Trabalhou algum tempo, o suficiente apenas para a noite se apoderar da casa, e a fome bater em seu estômago. Caminhou até o cômodo onde deveria ficar a cozinha, acendeu o fogão à lenha e começou a tostar as pequenas rolinhas; requentou o feijão e o arroz, e se pôs a comer sua refeição, com tal gosto que se pensaria estar comendo um manjar divino.

Voltou seus pensamentos ao seu casamento. O padre Luís exigia o mínimo de arrumação na Igreja, flores e coisas assim. O simples mencionar desse fato lhe tirava a paciência. Seria preferível pagar o dobro do preço. Haveria um churrasco, onde mataria um carneiro gordo, presente de sua mãe. Pensava em tudo aquilo, e em seu filho que viria dali a algum tempo; deveria ensiná-lo o trabalho de cedo, e… – seu pensamento mudou de rumo quando ouviu uma porta bater. Foi uma pancada surda, seguida de um risinho infantil. “-Molecagem… – pensou – não podem ver nada quieto, e já vão mexendo. De certo que pensaram que não havia ninguém em casa”.

Jogou sua bacia de comida de lado, apoiou-se na espingarda recostada na parede, e já estava pra se levantar, quando um pensamento lhe paralisou a animação: não havia portas na casa. A porta que dava pra estrada estava sustentada no lugar por escoras e pregos. A porta dos fundos, última alternativa, não era senão aquela sobre a qual descansava suas costas enquanto comia. Um medo terrível lhe fez bater os queixos, o riso infantil se transformara em gargalhada, depois choro. Um choro agudo, choro de um bebê.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s