O Silmarillion – J. R. R. Tolkien

Por José Eduardo Ribeiro Nascimento

Esta obra, considerada pela maioria dos fãs a melhor e mais importante de Tolkien, é uma coletânea de textos escritas pelo autor, e adaptadas por seu filho Christopher Tolkien, visto que muitos destes textos ainda estavam sobre a forma de rascunho, a lápis. É um livroque segue o estilo ame ou odeie: para quem se apaixonou pela mitologia, lendas e universo criado por Tolkien, ler este livro será uma experiência sem igual. Para os demais, será chato e entediante.

O livro descreve acontecimentos da primeira era da Terra Média, e é dividida em cinco partes: Ainulindalë, A música dos Ainur, que fala sobre a criação de Eä, o mundo; a Valaquenta fala sobre os Valar e os Maiar, os seres poderosos que moldaram o mundo; o Quenta Silmarillion, relata os principais acontecimentos de antes e durante a primeira era, sendo a principal parte do livro; Akallabèth, fala sobre os humanos do reino de Númenor, e a queda do mesmo pelas mãos de Sauron; e, finalmente, Dos Anéis de poder e da Terceira Era, fala brevemente sobre acontecimentos da terceira era (a destruição do Anel de poder marca o fim da terceira era da Terra Média).

O foco do livro é os Elfos, os primogênitos. Descreve como e por que alguns viajaram para as terras imortais, enquanto outros ficaram na terra média por amor as estrelas, fala sobre as decisões das principais famílias dos elfos, e sobre Fëanor, o maior de todos os elfos, e suas grandes criações, entre elas as Silmarils, jóias que, mais tarde, levariam os reinos élficos à ruína. Alguns contos merecem destaque, como a história de amor de Beren, um humano, e Lúthien, uma princesa élfica, o verdadeiro amor impossível do mortal e a imortal (em O Senhor dos Anéis, Frodo encontra Aragorn cantarolando uma música triste, a música de Beren e Lúthien, história que estava para se repetir com Aragorn e Arwen).

Há pouquíssimos diálogos; geralmente o próprio narrador é quem descreve as falas e as atitudes do personagem. Na verdade o que apaixona nesse livro não é sua própria existência, não é o livro em si, mas o conjunto, a obra que Tolkien escreveu. Para aqueles que não sabem, Tolkien era um grande professor de lingüística, sendo um renomado filólogo, ou estudioso da lingüística histórica, uma grande autoridade em literatura nórdica, estudando Beowulf e o Kalevala (conheci essas obras através das HQs de Carl Barks e Don Rosa, com Tio Patinhas e Cia, mas isso já é outra história). Criou vários idiomas (os mais completos são o Quenya e o Sindarin, mas há vários outros menos detalhados na lista), sistemas de escrita rúnicos, as Angerthas, e os Tengwar, caracteres de Fëanor. Era apaixonado pelos detalhes, runas e idiomas como o finlandês.

Sua obra grandiosa inspirou e inspira milhares de pessoas. Em jogos de vídeo-game é comum encontrar nomes e referências a obra de Tolkien (em castlevania temos o First of Tulkas, em Dota temos Mithril Hammer). Blind Guardian baseou seu CD Nightfall in midle earth neste livro. Uma coisa curiosa é que na lápide de Tolkien e de sua mulher está escrito, abaixo de seus nomes, as inscrições “Beren” e “Lúthien”, o grande amor que inspirou seu conto.

É uma obra fantástica. Se você leu as obras mais famosas do autor e se apaixonou, ou é viciado em mitos, lendas e contos nórdicos ou celtas, leia o livro. Mas se você acompanhou o sucesso do cinema mas não sentiu muito interesse pela terra média, fique longe do livro. O silmarillion não é para você.

Anúncios

5 Respostas para “O Silmarillion – J. R. R. Tolkien

  1. Então…
    Apesar de eu acreditar no juízo do “ame ou odeie” e temer estar no segundo grupo, gostei muito do segundo filme da trilogia e tenho este disco do Blind Guardian que citaste. “Mirror, Mirror” é uma canção fabulosa, bem como todos os efeitos dialogísticos do CD… Mas algo me distancia deste tipo de mitologia… Meu senso de hombridade e honra difere muito deste medievalismo nóirdico. É algo pessoal mesmo e não uma repulsa propriamente dita. Mas ainda tenho muita, muita curiosidade em conhecer o estilo do JRR Tolkien. Um dia, quem sabe?

    WPC>

  2. Sou um “Tolkeniano” nato estudo esse magnífico autor há quase dez anos, sim o mestre Tolkien foi um filólogo muito especial e que me inspirou muito para meus contos, um homem anos luz de sua era. Mas como todo homem comum tinha seus sonhos e seus problemas, todas as suas obras são referencias reais, coisas cotidianas que aconteceram com o mesmo. Acontecimentos que marcaram sua vida estão ali nas paginas de suas obras em forma de códigos e símbolos e de personagens. E ainda acrescento nenhuma das três obras cinematográficas se comparam com a obra literária de “O senhor dos anéis”.
    Enquanto as referencias musicais como nosso amigo Wesley comentou a banda BlindGuardiam lançou em 1998 o álbum conceitual intitulado Nightfall in Middle-Earth, como forma de homenagem a obra desse grande homem, mas muito antes disso muitas outras bandas já o tinham homenageado tais como: Rush,Led Zepelim, Elvenking, Lorien, Nightwish, etc. E pra finalizar(porque, já falei de mais) não podemos esquecer das referencias Bíblicas que estão espalhadas por todas as suas obras e cabe a cada leitor encontrá-las e interpretá-las.

  3. Pingback: Melhores momentos 2010 – Eduardo | Catálise Crítica

  4. Pingback: Algumas considerações sobre Tolkien « Catálise Crítica

  5. Pingback: Contos Inacabados – J. R. R. Tolkien | Catálise Crítica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s