O Pé-de-Chuchu

Por José Reinaldo do Nascimento Filho

(Paris, 08h25, 20 de dezembro de 1995)

Os irmãos, como eram conhecidos entre os agentes da Corporação, repetiram para si mesmos que nada mais havia a fazer. A plena certeza de que a missão havia sido coreografada com maestria dava-lhes garantia do sucesso iminente. Sobre a operação daquela manhã eles impuseram toda a disciplina e técnicas aprendidas na academia; sendo, todavia, o maior trunfo de ambos, a convicção de que “Ele nunca soube e nunca saberá que foi o nosso maior inimigo”.

Reynaud conhecia a base inimiga tão bem quanto qualquer parisiense; não era para menos, ele próprio havia sido criado e treinado entre os inimigos. Nenhum outro poderia substituí-lo: Reynaud conhecia aquelas portas desgastadas; as janelas quebradas, os corredores úmidos, os quartos escuros, e, principalmente, as entradas secretas. Mas não era ele quem realmente efetivaria a operação; a parte prática, pura e simples, seria executada pelo seu irmão mais novo, Edward. A função de Reynaud era a de, justamente, do seu esconderijo no Pé-de-Chuchu, direcionar, com a ajuda de sofisticados Oktoks, os iniciais passos do irmão à entrada da base.

Finalmente, já no esconderijo, que ficava a poucos quilômetros do alvo, exigira, do seu irmão, a execução de rigorosos ensaios antes do início da operação. Reynaud era o mais exigente entre os chefes de espionagem que a Corporação já enviara contra seu grande inimigo, o RES. Há nove anos dirigindo a Divisão Dononas/Nordeste, ele já deixara a sua marca. Apesar da já lendária atenção aos detalhes na atividade de espionagem, alguns críticos o consideravam um homem limitado de QI reduzido, pois sua dedicação, quase jesuítica ao trabalho, estava restritamente relacionada ao seu julgamento sobre aquilo que lhe cativava ou não. Em outras palavras: ele só fazia bem o serviço quando o achava realmente importante para ele. Reynaud era um homem complexo e de uma inteligência diferente, que despertava emoções confusas naqueles que trabalhavam com e para ele. Situação oposta ao que ocorria ao apaixonante Edward. Rude e às vezes estúpido, aquele jovem “alto, forte e bonitão”, como gostava de dizer, possuía a incrível capacidade de se adequar a todo tipo de situação. Sempre sereno e frio, e por isso mesmo sempre feliz em todos os testes pelos quais concorreu, Edward era a pessoa mais indicada para a missão que estava por vir.

Normalmente, quando uma operação tão importante era executada no seio da bela Paris, em meio à vigilância do RES, a Corporação ficava sabendo do resultado somente na manhã seguinte. Todos confiavam em Reynaud; este, por sua vez, confiava em seu irmão. No entanto, apesar das certezas, todos eles tinham consciência das dificuldades daquela operação, e nunca vendavam os olhos para um possível fracasso.

O Sucesso levava algum tempo para filtrar-se no sistema, não obstante o aviso de fracasso ser quase imediato, e vir na maioria das vezes, num telegrama simples que parecia apostar corrida com o sol. O primeiro sinal poderia vir da esposa, ou da mãe, avisando que o seu marido ou filho não havia chegado para o jantar. Reynaud aos poucos foi compreendendo que aquela demora do seu agente só poderia significar uma coisa: o seu irmão tinha sido capturado. E quando esse pensamento vinha à mente do experiente Reynaud, o impacto parecia de um tiro direto na cabeça.

Longos quinze anos se passaram desde aquele cinzento 20 de dezembro de 1995, e não houve um por de sol desde então que tenha se passado em branco, sem que na memória do veterano Reynaud venha à tona a lembrança daquela fracassada missão tão bem arquitetada por ele: o seu irmão havia caído em uma emboscada ao percorrer o trajeto que ele planejara tão cuidadosamente. Nada foi encontrado sobre Edward – verdade que ainda alimenta a esperança no coração daquele cabeçudo agente.

Às vezes um lapso, uma frase pela metade, um olhar, um cheiro, uma música, do mais complexo ao mais efêmero detalhe, o faz lembrar aqueles emocionantes momentos de “brincadeira” entre irmãos. Mesmo que, depois de tantos anos, agora muito mais velho, tudo aquilo pareça pertencer somente à história e a sua memória de criança. As coisas poderiam ter sido diferentes se ele não tivesse esquecido os detalhes: Sempre há mais um quarto a ser visitado.

 

Ele sempre soube Reynaud, e agora, mais do que nunca, que sempre foi o nosso maior inimigo

Edward, 25 de dezembro de 1995

 

A mensagem que se seguiu foi deixada na residência do aposentado Reynaud pouco depois das quinze horas do dia 20 de dezembro de 2010 e é responsável pela história que você leitor acabou de ler.

 

Anúncios

21 Respostas para “O Pé-de-Chuchu

  1. Pequeno texto, mas preciso no sentido do blog. Está mais do que na hora de retomarmos o objetivo principal deste espaço: exercitarmos a arte da escrita. Nada melhor que contar histórias, sejam elas fantásticas ou triviais.
    Que venham mais textos. E não sabia que RES era o grande inimigo dos “irmãos”…

    • Ótimo texto. Nostálgico também.
      Nossas aventuras contra os contrabandistas de diamantes, e o grande Vilão RES, e a Madre DONONA, renderiam mais que um texto, por mais brilhante que ele seja. Esse tema deve ser retomado mais tarde. Há muito ainda que se revelar sobre a Corporação…

  2. Aqui, sim, pode se falar em “piadas internas”, cifradas, que, por mais que tu abras a boca sobre estas experiências nostálgicas e familiares, não me foi permitido interpretar nada, para além dos sintagmas narrativos… Mas, mesmo assim, algo que pungiu: esta tua obsessão por frisar as relações entre irmãos, sempre recorrentes em teus contos, sejas os baseados em reminiscências nordestinas, seja os de cunho mais eclesiástico-criminais. E, dentro daquela conversa sobre a noção de “autoria” que prevalece em obras menores, isto aqui diz muito, muito! Mesmo eu não tendo gostado do conto quanto outrem. É quase como se não me fosse permitido, aliás! mas eu tentei, eu juro que tentei!

    WPC>

  3. Ana Luiza 1º ano do ensino médio (vespertino)

    O Pé-de-Chuchu, sobre a minha concepção um texto bom, que conta a história de dois irmãos, Reynaud e Edward sendo que estes fazem parte de uma corporação cada um desempenhando o seu papel, Reynaud em elaborar os projetos enquanto o outro põe em pratica os projetos do irmão tentando sempre acabar com seu maior inimigo a RES. Os irmãos eram tidos como agentes muito bons ate que uma tragédia aconteceu, causada acidentalmente por uma falha de Reynaud, Edward veio a falecer.
    Diante do texto percebe – se a responsabilidade que cada ser tem em relação ao seu companheiro em uma atividade conjunta onde cada um deve fazer o melhor de si para resultar em um bom resultado para todo o grupo.

  4. Vilmara Deysielly 1º ano do ensino médio ( vespertino )

    Em minha opinião o texto o Pé-de-Chuchu é muito interessante, pois mostra a relação entre irmãos onde vivenciou uma missão importante, Reynaud o irmão mais velho criou toda a operação, por ser inteligente e preciso todos os agentes confiavam nele, que por sua vez confiara em seu irmão, ele iria fazer a parte prática, mas, algo deu errado Eduard fora capturado no meio da missão, deixando Reynaud decepcionado.
    Conclui-se então que o trabalho em conjunto pode dar certo, porém se um componente deste não consegue fazer o planejado, pode prejudicar a todos, assim como Eduard acabou prejudicando seu irmão naquela missão tão importante e bem elaborada.

  5. Josefa Bruna 1º ano do Ensino Médio ( VESPERTINO)
    Diante do texto pude perceber que quando trabalhamos em conjunto cada um fazendo sua parte podemos contribuir para o nosso futuro melhores ações que certamente ajudará o “todo”. Com base nisso “O pé de Chu-chu “relata essa história emocionante entre dois irmãos Reynaud e Edward , um ajudando o outro nos projetos elaborados. Com tudo Edward tentava acabar com o seu inimigo, até acontecer um fato trágico que foi a sua morte.
    O que a obra deixou como lição foi que nós não devemos ter vontade de derrotar o próximo pois a derrota pode cair em si mesmo, não precisamos insinuar atos de maldade pois a vida ensina bastante para isso consiste a palavra destino , que através das lembranças passadas pela vida ainda no coração de Reynaud existe recordações dos trabalhos com a ajuda de um próximo que o ajudou bastante na sua vida profissional.

  6. Carolina Melo 1º ano do Ensino Médio ( VESPERTINO)
    O texto o pé-de-Chuchu , além de ser um texto interresante , fala do trabalho dos dois irmãos Reynaud e Edward , Reynaud que elaborou com muita confiança acabar com seu inimigo a RES, Eles estavam confiantes até que seu irmão Edward caiu numa emboscada e faleceu , fato muito chocante que surprendeu o seu irmão Reynaud , que estava tão confiante que seu plano iria dar certo . Em conjunto e muito bom de se trabalhar , várias ideias , mais se uma pessoa não se dedicar e procurar fazer o melhor , pode prejudicar todo o seu grupo !

  7. Ewerton Danilo, 1ºano do ensino médio (VESPERTINO)

    O texto “O pé- de- chuchu” se torna interessante pela sua história convincente e criativa, relatando a vida de dois irmãos, Edward e Reynaud. Estes eram agentes secretos de muita confiança em uma corporação, embora nem sempre tudo tenha dado certo, pois talvez pela autoconfiança exagerada de Reynaud um dos projetos deu errado, sendo ele o elaborador de todos os projetos da dupla, ficou sentindo-se muito culpado, pois para a imensa dor do irmão, Edward veio a falecer tentado por em pratica o plano para eliminar seu maior inimigo a RES.
    Através dos relatos pude perceber vários aspectos presentes em nossas vidas, como a ausência das pessoas que infelizmente já se foram, a culpa que para alguns é muito angustiante, o amor entre irmãos e principalmente o trabalho em grupo que pode nos ajudar ate mesmo na sala de aula pois se um ajudar o outro, principalmente cada um fazendo a sua parte ao fim do ano letivo teremos resultados excelentes para todos.

  8. A obra O Pé de chuchu, escrito por José Reinaldo do Nascimento Filho, é um texto surpreendente que retrata a história de dois irmãos, Reynaud, o mais inteligente e exigente, e Edward, rude e às vezes estúpido. No qual ambos planejavam uma emboscada para um inimigo, mas Edward foi capturado, colocando todos os planos exatamente calculados do seu irmão Reynald a perder.

  9. Isabela 1º ano do Ensino Médio( Vespertino)

    A obra tem um poder muito grande de reflexão para o leitor, a história nos mostra a capacidade que temos de ajudar o outro pois muitas vezes passam despercebidas , o rancor existem contra as pessoas que em um ato de vigança quem acaba se dando mal é nos mesmos, como apresenta no prorio texto onde um dos irmãos acaba morto, e também que tudo nada vida não é sempre do jeito que prevemos há várias surpresas.

  10. e um texto que conta a historia de dois irmaõs espiões um e chamado de Reynaud esse e o mais esperto que fazia os planos da missão em seu esconderigo secreto no pé-de-chu-chu e o outro era chamado de Edward esse era o que executava as missões, seus maiores inimigos eram RES .um dia Reynaud fez uma missão para seu irmão execulta mais Edward fracassa sendo capturado pelo seus inimigos. passaram se 15 anos e Reynaud fica com a lembrança da sua fracassada missão que elaborou e que seu irmão foi pego.

  11. Essa é uma historia muito chocante que fala sobre dois irmãos que se chamava Reynad e Edward, eles eram pessos que tinha um grande rancor de seu inimigo, e viviam planegando como tenta executa seu maio inimigo, com isso Reynad começou a elabora vários planos , como ele era mais esperto do seu irmão ele criou uma grande missão para seu irmão cumprir, e essa missão era para destruir seu inimigo, mas Edward falhou e não terminou sua misão e acabou sendo capturado, e toda missão desabou na cabeça de Reynad por ele esquecer de olha aquele quarto, com isso ele acabou perdendo seu irmão. Nem tudo que se planega da certo, aquilo eles pensava e dava a garantia de um sucesso iminente acabou dando errado.

  12. Luana Santos, 1º ano do Ensino Médio ( Vespertino)
    A história do pé-de-chuchu, é contada em 3ª pessoa. Esta por sua vez fala de dois irmãos que trabalhavam em uma corporação e que estavam designados para uma missão, que segundo Reynaud estava bem arquitetada, mais que missão essa não foi bem sucessida e acabou que Edward não retornou mais.

  13. Acássia 1º ano Ensino Médio ( Vespertino )

    O texto ” Pé-de-chuchu ” conta uma história muito interessante de se ler, pois ela conta a história de dois irmãos que trabalhavam juntos numa base, cada um desempenhando seu papel muito bem!
    Como sempre os planos de Reynaud e Edward eram sempre muito bem elaborados, porém a vida nos traz muitas surpresas, e essa foi mais uma.
    O seu novo plano não tinha dado certo, e Edward acabou morrendo!
    E assim fica a lição, nem sempre planos, por mais que bem elaborados, bem estudados e bem analisados, nem sempre acabam dando certo!
    Temos que ter consciência da responsabilidade que carregamos, todo dia, todo momento, a cada segundo!

    • Celso Junior 1º ano Ensino Médio ( Vespertino )

      O texto ” Pé-de-chuchu ” é um testo muito interesante, quando eu le esse texto, no final eu mim perguntei se era ou nao contado em fatos reais .Bom sendo ou nao em fatos reais vc esta de parabens continue fazendo historias como essa ou ate mesmo produza um livro, vc tem uma imaginação otima para criar historias entao nao a guardia usia para seu futuro.

  14. 3º E.M (Vespertino)

    Conta a história de dois irmãos cujos nomes são Reynaud e Edward no qual Reynaud era o irmão mais velho e trabalhava numa agencia assim como Edward. Reynaud sendo um dos grandes nomes da espionagem da cidade de Paris foi incubido da função de se infiltrar e conviver na base inimiga afim de levantar todos os dados entre a fragilidade e fraqueza do inimigo, para que assim pudesse haver uma operação prática afim de derrotar RES.
    No entanto, para não levantar suspeita quem faria o ataque era seu irmão Edward por ser considerado a pessoa mais rude, sereno e frio nas mais variadas situações, e Reynaud apesar de ser uma “lenda”, era um pouco questionado em relação a sua prática, o que facilmente ele compensava com sua capacidade e inteligência diferenciada, capaz de arquitetar um excelente plano ou tática para a execução bem sucedida da operação porém, devido a algum descuido na elaboração dos pequenos detalhes da operação não foi possível conclui-la, sendo seu irmão apanhado pelo inimigo não podendo assim, ser concluída a missão tão estudada e arquitetada por ele.

  15. Luana Andrade, 1° ano do ensino médio (Vespertino).

    Narração em terceira pessoa, baseada na história de dois irmãos desempenhando papeis distintos, Reynaud com a função estratégica na qual direcionava todos os passos para Edward que por sua vez fazia a parte prática já que tinha uma boa habilidade nesse recuso. Ambos eram tidos como bons agentes embora com todas as certezas de uma missão bem sucedida contra seus rivais da corporação RES, houve um problema da qual Edward não conseguiu se salvar.
    Restam as dúvidas: De quem foi culpa?Seria a curiosidade? , concluí-se, “Ele sempre soube Reynaud, e agora, mais do que nunca, que sempre foi o nosso maior inimigo. “

  16. 3º E.M (Vespertino)

    Comecei a ler o texto sem nenhuma animação, mas depois mudei de ideia ficou muito interessante.
    Narração ótima e instigante. Só não gostei dos nomes dos personagens.
    Não sei se existe uma sequência desse texto, ou se foi uma “jogada” deixar umas coisas sem explicar para assim o leitor ficar curioso.
    Acho que também foi uma “jogada” fazer com que nós lêssemos um texto pequeno, pois se fosse grande eu nem iria ler, só iria comentar, tipo comentários de orkut: “texto perfeito”, “Muito bom esse texto” (ignore essa parte)

  17. o texto foi bem interessante mostrando a historia de dois irmaos bem distintos que trabalhavam em uma agencia de espionagem onde um era bem focado no que fazia e por sua vez prestava muita atençao nos pequenos detalhes, onde um dos irmaos acaba morrendo por causa de um miçao mau sucedida e resta apenas a duvida de quem foi a culpa?

  18. 3º E. M. (Vespertino) .
    Bom, em primeiro lugar o texto me surpreendeu bastante, tem um titulo que basicamente não combina com a história, e isso o deixou interessante. O autor creio eu, não quis mostrar detalhadamente a relação entre os irmãos, deixando “vago” alguns aspectos, no entanto, desperta a curiosidade do leitor de saber o que acontece depois. Em relação a narrativa ela é simples e objetiva.

  19. É presenciada a história de dois irmãos que ambos tem uma missão, que era combater o grande inimigo RES. Sendo que Reynaud so iria ajudar o seu irmão Edward , cada um desempenhando o seu papel. Buscando as melhores estratégias para melhor conculsão da missão. Entretanto a missão não foi bem sucedida , pois Edward caiu em uma emboscada. Reynaud ficou fracassado não acorreu o que ele tinha planejado.,
    Uma história interressante e misteriosa . E levando em consideração que esse conto nada mais é que uma brincadeira que ocorreu na infância dos personagens. Onde levamos o passado para o nosso presente nas nossas lembranças.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s