Melhores Momentos – 2010 – Reinaldo

Por José Reinaldo do Nascimento Filho

10 – O Pai dos Pobres – José Reinaldo do Nascimento Filho – 20/04/2010

Após efêmero momento de dúvidas, peguei o revólver parcimoniosamente – até com certa ternura, poderia afirmar. Alisei aquela peça metálica que finalmente acabaria com os meus problemas. Procurei as balas na gaveta da escrivaninha e encaixei uma a uma, no tambor. Em seguida dei um pequeno impulso pra direita; o tambor aninhou-se de volta na arma. Respirei… Destravei o cão e, então, preparei-me para morrer”.

Definitivamente o texto mais bem estruturado por esse que vos escreve. Gosto especialmente dele, porque pessoas inteligentes leram, gostaram e elogiaram. Fico ainda mais feliz com ele, porque tive a oportunidade de utilizá-lo durante o meu estágio obrigatório no Colégio de Aplicação (CODAP), da Universidade Federal de Sergipe. E elogios do tipo “tente entregar este texto como projeto de mestrado. Se a banca examinadora for minimamente sensata, estarás doutorado mais rápido que Ludwig Wittgenstein. Sério!”, Wesley; ou ainda: “Texto incomentável no aspecto gramatical, formal, linguístico, ou qualquer outro termo técnico que venha a ser inventado. O maior texto do blog até agora, digo sem medo”, Eduardo, e para sacralizar: “A maneira vibrante com que você descreveu esta cena mostra que seu potencial para a literatura é muito grande, e, sinceramente, me mostra que unir literatura à história parece extrair o melhor de você”, Leonardo, que me fazem, cada vez mais, sentir vontade em continuar escrevendo.

O Pai dos Pobres: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/04/20/o-pai-dos-pobres/

09 – Doutor Fausto – Thomas Mann – 18/08/2010

Indiscutivelmente o livro mais “intragável” lido por mim no ano de dois mil e dez, e também o texto mais bem estruturado e pensado por esse que para vocês escreveu o último post de 2010. Doutor Fausto é linguagem rebuscada; é também uma aula sobre as mais diversas e difíceis teorias filosóficas; um romance sobre obsessão e apresentação “desgastante” de teoria musical, harmonias, contraponto e modulações, religião e “influência demoníaca” em nossas vidas; acredito que ainda cabe aqui um estudo sobre o humanismo, a Segunda Guerra Mundial, Nazismo, Nietzsche etc. “Em Doutor Fausto a contribuição de Thomas Mann através do seu “herói” é tão pertinente quanto esclarecedora, fazendo-nos pensar sobre as influências que absorvemos e as paixões que escolhemos e alimentamos; em outras palavras, precisamos ser um pouco mais insofismáveis”.

Doutor Fausto: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/08/18/doutor-fausto-thomas-mann/

08 – Os Miseráveis – Victor Hugo – 16/07/2010


Acredito que esse tenha sido o texto mais ambicioso e o que mais esteve relacionado à História. Procurei na minha resenha da obra fazer algo que, definitivamente, não está sob a minha alçada: criticar um dos grandes nomes da literatura. A premissa básica do texto foi o de responder “Onde Victor Hugo errou”, e “Onde ele definitivamente acertou”. Essas ideias que nortearam o texto podem soar um “pouquinho” arrogantes, mas prometo a você leitor que as minhas intenções foram das mais sinceras.

Os Miseráveis: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/07/16/os-miseraveis-victor-hugo-caso-contado-a-sombra-do-mercado-m-ribeiro-da-cruz/

07 – Luz em Agosto – William Faulkner – 13/04/2010 e 17/09/2010

Se Doutor Fausto foi o livro mais “intragável”, Luz em Agosto foi o de melhor degustação. Tudo nele é impecável e maravilhoso: das palavras bem articuladas, das personagens convincentes e marcantes; tudo em Luz em Agosto é soberbo. O livro mais belo lido por esse estúpido catalisador. Leiam.

Luz em Agosto, primeira leitura: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/04/11/luz-em-agosto-william-faulkner-2/;

Luz em Agosto, releitura: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/09/17/luz-em-agosto-relido-william-faulkner/

06 – Mary e Max – Adam Elliot – 15-05-2010

No filme supracitado pude perceber que algo muito bom foi produzido (muito bom, e para o bem). Lembram-se daquele curta que passa antes do filme “Up – Altas Aventuras”? Pois bem, Mary e Max segue aquele tipo de pensamento: cativar-nos com personagens de massinha (o curta é 3D sem explosão) mas que sangram como nós mortais; ensinar-nos que é possível ser bom apesar das adversidades e, por fim, nos ensinar a sermos pessoas-humanas. Ah como saí feliz daquela sala! Não lembrava a última vez que havia chorado por causa de um filme. Sim, eu chorei”.

Sim, eu chorei”, e por enquanto isso basta.

Mary e Max: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/05/15/mary-and-max-adam-elliot/

05- Toy Story 3

Novamente uma animação “infantil”. As aspas são mais do que necessárias, pois esse filme é capaz de animar a mais simples das crianças – apenas com seus belos personagens -, como pode fazer lacrimejar o mais velho dos homens (e chorar, chorar muito, claro). O filme nos mostra como é complicado crescer e continuar criança ao mesmo tempo. É bom crescer; e é muito bom recordar. E somente Toy Story 3 conseguiu provar nesse ano que esses dois verbos podem se relacionar tão bem.

04 – MAUS – Do Silêncio ao Testemunho – José Reinaldo do Nascimento Filho – 30/12/2010

Um interessante artigo que discorre sobre a importância dos testemunhos dos sobreviventes do holocausto como meio indispensável para a manutenção da História e Memória. Um trabalho totalmente diferente daqueles que vemos no blog catalisecritica, feito com a humilde intenção de contribuir para o engrandecimento da pesquisa histórica.

MAUS – Do Silêncio ao Testemunho: https://catalisecritica.wordpress.com/2010/12/30/maus-do-silencio-ao-holocausto-jose-reinaldo-do-nascimento-filho/

03 – Livraria Cultura/Brasília – 08/12/2010

Esse número três é especial, e isso ocorre não porque eu conheci e andei e vi uma das mais belas livrarias do Brasil, mas porque eu estava com os meus três grandes irmãos amantes das letras: Eduardo e Leonardo (George não está incluído porque ele não foi com a gente e porque ele não ama as letras kkkkkkkkk). Posso escrever com todas as letras e sem medo de ser feliz, que aquele oito de dezembro de dois mil e dez foi um dos mais magníficos e surpreendentes dias de todos os tempos. Só quem foi sabe como eles foram especiais e memoráveis.

02 – Clássicos Abril Coleções – 2010

A editora Abril merece o segundo lugar nessa lista com muito e muito louvor. Até hoje não consigo imaginar como essa editora lucra com essa coleção que cobra a irrisório valor de 14,90 por cada livro.  Tudo é muito bonito e de ótima qualidade: a capa dura em tecido, traduções consagradas, 16 páginas que discorrem um pouco sobre o autor e a obra. A Abril está de parabéns! Nós leitores temos apenas que agradecer e agradecer (e torcer para que eles continuem com essa coleção).

Clássicos Abril Coleções:

http://www.youtube.com/watch?v=bQRcTvpck90&feature=player_embedded

01 – A Paixão Segundo Genelice: Amores proibidos na Simão Dias dos anos 30

A importância desse número 1 não está exclusivamente relacionada à qualidade do vídeo como produto fílmico – embora ele esteja excelente -, mas na história macabra que cerca todo o processo de sua feitura à sua “publicação” como valor determinante para a consagração ou danação do meu futuro como profissional. Para começar é… Para começar eu fico satisfeito em não precisar contar essa “história macabra” para mais ninguém, pois as pessoas que realmente se “interessam” com o ocorrido sabem de “có e salteado”.

A Paixão Segundo Genelice: Amores proibidos na Simão Dias dos anos 30: http://www.youtube.com/watch?v=8GyvNhFnny0

 

Anúncios

6 Respostas para “Melhores Momentos – 2010 – Reinaldo

  1. Uma lista bem mais auto-afirmativa do que a dos outros colaboradores, mas, que isto não seja visto como defeito, auto-afirmar-se é mostrar ao mundo que não somos apenas o que somos. Neste sentido, seguem as minhas observações de praxe:

    10- mantenho o que disse, o elogio hiperbólico porém sincero. Gosto particularmente deste texto, fiquei com inveja verdadeira de não ter sido teu aluno de colegial e poder ler isto em sala de aula e, até o fim dos meus dias, sempre que ouvir o vocábulo “madreperóla”, lembrarei de ti e deste suicídio histórico…

    9- Thomas Mann. Ponto;

    8 – CADÊ? Faltou o oitavo item de tua lista! De propósito?

    7 – TENHO QUE LER ESTE LIVRO! Pede para um dos dois irmãos remanescentes me Sergipe me levar lá no DAA, vai… Lembrei agora de tu tentando lê-lo naquele ônibus quase amaldiçoado (risos);

    6 – Não chorei da mesma forma que ti, mas lágrimas escorreram no teclado do computador em que vi o filme, meu bem. Culpa tua, no bom e no mau sentido; em forma e conteúdo. Por isso, obrigado! Sempre, obrigado!

    5 – Crescer, recordar e, no meu caso, perder e entender que esta perda foi necessária. Boníssimo, admito! Faço côro convosco;

    4 – “Interessante” é um adjetivo engraçado aqui… (risos) Mas sim, engrandece!;

    3- Não sei se entendi bem a brincadeira com o “três” (Déborah também foi?), mas… É isso, entendo o que quiseste dizer, entendo…;

    2 – A Editora Abril merece! (risos)

    1 – Não acho que esteja excelente não (talvez na idéia, mas não na realização), mas há vida nele, há paixão sim, e os malogros do percurso só valorizam mais o resultado final. Nesse sentido, refaço meus parabéns, enquanto relembro daquela tua mensagem fofo: “PASSEI NA DISCIPLINA KKKKKK PASSEI KKKKK”. Há males que vêm para o bem, né?

    Grande personagem real esta. Pode dizer para a Renata que eu acredito realmente nisto! (risos)

    De resto, a gente segue em frente…

    Quanto a mim, não fiz uma retrospectiva em formato de lista, mas, passando em revista o ano de 2010, sabes bem qual foi o momento mais “especial” de todos, né? Um período de quase 11 meses, para ser exato, mas… Deixa quieto, deixa quieto, fica bem!

    WPC>

  2. Agora sim, apareceu o 8 – e, diante dele, eu me pergunto: como posso me proclamar “gente” sem ter lido nada do Victor Hugo, até então? Logo eu, que sou uma reencarnação enfeiada de Adéle H. (risos) Pelo sim, pelo não, este livro vai pra lista, depois de O CORCUNDA DE NOTRE-DAME, lógico!

    E, só a título de ressalva: esta tua postagem é a razão da maioria dos meus amigos não entenderem por que eu gosto tanto de ti (risos)

    WPC>

  3. Também pensei em falar sobre nossa viagem a Brasília. Das livrarias que fomos, a Mega Store Saraiva com certeza foi a melhor. Foi nela que compramos o The Lord of the Rings, volume 1, e Agatha Christhe em quadrinhos, em inglês. Muito legal. Mas a que marcou mais, talvez por ter sido a primeira a ser visitada, foi a Fnac, no park shopping. Não sei se foram os quadrinhos, os livros de RPG, a literatura em inglês, ou os bonecos de Harry Potter, demolidor, batman etc., 😀 Tenho vontade de ir a Brasília novamente praticamente apenas pelas livrarias.

    Não chorei com Mary & Max, mas Renata chorou. Filme realmente surpreendente. O que me faz lembrar, você ainda não assistiu aO Túmulo dos vagalumes, não foi? Jackass…

    Quanto as preferencias de textos de autoria própria todos sabemos que você tem vários textos que mereciam estar na lista. Escolher um deles deve ter sido difícil…

  4. Gostaria de saber como o senhor tomou conhecimento deste vídeo sobre Genelice, quem são seus autores e como posso fazer contato com eles.

    Aguardo e agradeço.

    • O idealizador do projeto é Reinaldo, autor do post, e ele e eu (Leonardo, irmão e outro integrante do blog) somos os autores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s