Você vai conhecer o homem de seus Sonhos

Por José Eduardo Ribeiro Nascimento

Ontem estava com vontade de ir ao cinema, e foi pesquisar qual seria a melhor opção. Encontrei este de Woody Allen, e pensei, por que não? Terminada a sessão afirmo que o filme se resume bem em sua primeira frase, uma citação de Shakespeare: “A vida é cheia de Som e Fúria, e, no final, isso não significa nada”, talvez tirando a parte do som e da fúria. O enredo não se propõe a retratar momentos fascinantes ou surpreendentes na vida de um conjunto de pessoas, mas um tipo de história rotineira, o dia-a-dia. Vamos as considerações:

Começando pelo grupo cinematográfico em que o filme deveria se encaixar: comédia romântica. De certo que não se trata de uma comédia, pois ninguém no cinema riu, nem mesmo de deboche. Em segundo lugar, não deve se tratar de um filme romântico, pois não há “romance”. Tudo gira em torno de divórcios, casamentos que não dão certo, e a busca de relacionamentos novos e de caráter duvidoso. Assim, para Leonardo, que é um romântico declarado, e já afirmou mais de uma vez que não gosta de filmes que tratam da temática felicidade sem casamento (talvez esse não seja o termo mais indicado, mas enfim, eu concordo quase que totalmente com ele), esse filme seria/será detestável.

Sobre o enredo, temos Alfie (Anthony Hopkins) e Helena (Gemma Jones), casados há quarenta anos e que se divorciam por que aquele quer ser mais jovem, e esta é sincera demais, dizendo a seu marido que ele já está velho de mais para certas coisas. Alfie conhece uma mulher com metade de sua idade, com quem se casa e acaba ganhando problemas, e Helena busca ajuda no ocultismo, nas estrelas e nos espíritos, onde acaba encontrando um senhor com quem começa uma relação. Sally (Naomi Watts), filha do casal acima, é casada com Roy (Josh Brolin), um escritor falido, que não escreve nada de bom há anos. Entre problemas financeiros e outros, Sally se apaixona por seu chefe, Greg (Antonio Banderas), cujo casamento também está por um fio, e Roy pela vizinha da janela, a mulher de vermelho, a qual está noiva de um rapaz sem muita importância.

A partir do parágrafo acima, podemos ver do que o filme se propõe a tratar: casamentos fracassados, e novos relacionamentos extra-conjugais por prazer ou paixão, mas o amor, o amor de verdade não está no filme.

Não gostei do filme. Não que o filme seja terrível, ruim ou algo do tipo. Só é uma perda de tempo; ele não diz nada, não acrescenta. Você passa quase duas horas na sessão e depois pensa, o que aconteceu? O que foi que eu fiz nos últimos 90 minutos? É até difícil dizer algo sobre ele, uma vez que o filme diz muito pouco.

Anúncios

2 Respostas para “Você vai conhecer o homem de seus Sonhos

  1. Quando eu vi este filme, não imagine que fosse me tornar um de seus defensores mais ferrenhos… Sou fã contumaz do diretor e acho este, de longe, um de seus menores filmes, mas… Ele me fez bem, muito bem, em mais de um sentido. Não sei se minha recepção do mesmo estará eternamente deturpada pelos gracejos esporádicos e esparsos de teu irmão Reinaldo, que esteve ao meu lado na sessão, mas comigo o filme funcionou, acreditei que ilusões são mais efetivas do que remédios, conforme aprenderam os personagens do filme. É um filme simpático e bobo, como a minha vida deve ser…

    Não sei se posso defini-lo como comédia, no sentido lato do termo. É uma tragicomédia romântica como tudo o que Woody Allen costuma produzir e, discordo de ti acerca da ausência de amor. Não sei se disponho do mesmo arcabouço afetivo-temático que o teu para julgar se há ou não amor aqui, mas acho a cena em que o velhinho pergunta à sua falecida esposa se ela o autoriza a se apaixonar novamente ou no belo beijo de terceira idade que fixa-se no crepúsculo final… Para mim, aquilo é amor. Ou ilusão de amor Ou eu não sei de nada, mas gostei do filme assim mesmo. Pouquinho, mas de forma significativa. Gostei como se estivesse vendo a mim mesmo, num patamar mais desesperado e desejoso. Comigo funcionou. É um filme que exige um conhecimento de causa alleniana, penso, quase cifrado em suas tolices existenciais envelhecidas…

    Mas isto sou eu falando, pensando, lembrando e sentindo…

    WPC>

  2. Não sei se deu para entender o que escrevi acima, visto que estava digitando enquanto atendia uma pessoa irritável aqui no DAA, mas… mesmo desgostando do filme, como eu pressupunha diante de qualquer genilaidade escrita pelo Woody Allen, eu tenho uma simpatia muito pessoal por ele, que se tornou ainda mais pessoal por causa de… errrrr… Escrevi sobre ali, de forma bem mais entusiática e com iniciais “suspeitas” nosparágrafos (heheheheh):

    http://crticasdeumcinemanu.blogspot.com/2010/12/voce-vai-conhecer-o-homem-dos-seus.html

    É isso, insisto que os velhinhos amam no filme. Eles, ao menos!

    WPC>

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s