Bullying

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

Ele me xingou, me bateu. Chorei e riram. Todos. Aí olhei o chão e vi. Nem pensei. Tinha raiva. Lembrei das outras vezes.

Levantei. Ele veio zoar. Bati com toda força.

O irmão disse que ia me matar. Bati nele também. Vieram o diretor, a professora. Bati também.

– Aí acordou?

Anúncios

13 Respostas para “Bullying

  1. Parece coisa do Eduardo. O senso de humor é o dele (risos)

    A pergunta final estragou o clima que eu estava criando (chuif!)

    Cadê o Leonardo-autor que nos acostumamos a ler???!!!

    WPC>

  2. Quando terminei de escrever imaginei Reinaldo usando a palavra “humor”. Já tinha a minha resposta pronta: não se trata de uma história de humor, mas trágica. É a pergunta final que deixa transparecer toda a carga dramática que pretendi empregar no conto: imaginei uma criança frágil, repleta de mágoas, de tristeza, de ódio e rancor… e o sonho de vingança (que, em sua mente, viva como foi a descrição, pode se tornar realidade).
    Essa interrupção “aí acordou?” é o despertar para a dura realidade de ser vítima novamente, de não ter a chance de uma só vez ser algoz…
    Ao menos foi nisso que pensei quando escrevi.
    Exercitar, exercitar…

  3. Esse “acordou” não precisa ser literal; pode ter sido, simplesmente, um coleguinha que dando um toque no ombro do garoto depois que o viu parado, mordendo os dentes, com os olhos vermelhos, encarando o(s) colega(s) que o machucaram.

    Lembro-me certa vez quando um colega meu pegou a minha bicicleta e arremessou contra uma parede coberta de arame farpado. Eu fiquei lá, só olhando aquela cena dantesca, pensando no que eu poderia fazer com eles… Mas o que fiz? Nada.

    “Mealembro” também do momento que vi a minha nota de Sergipe II, e como comecei a passar mal. Aquela vontade de arrancar a cabeça do professor e…

    É a vida. Eu sofri Bullying e não sabia Kkkkk

  4. Não sei se já te disse isso, mas tenho problemas crassos com o conceito de vingança, principalmente quando associados de forma consoladora como esta ao pensamento infantil. Isto me feriu particularmente, no plano da apreciação literária. Em outras palavras: autor explicando texto, justificando lacunas hermenêuticas, pode piorar o soneto. Este foi o caso. No plano dramático, a simpatia mínima que timidamente manifestei ao imaginar o conto como uma comédia simples transformou-se numa ojeriza moral mui particular, que me irrita/preocupa sobremaneira quando imagino os meninos repletos de ódio, cólera e mágoa que moram perto das bocas-de-fumo da minha vizinhança querendo ter este direiro onírico de se “vingarem” também, batendo em seus algozes… Não defendo nem compactuo com isso nem mesmo no plano mais ficcionalmente distante!

    Peço desculpas, mas é um problema receptico mui pessoal, teu irmão sabe. Espero que não tenha soado deveras presunçoso, mas… É isso: experimentos são válidos, mas também malogram. Eis um caso!

    WPC>

    • PS: lendo agora o comentário irmanado de teu irmão, meu comentário particularmente afetado potencializa ainda mais. Tu recebeste a mensagem que ele enviou quando recebeu a tal nota, chamando o professor de “viado mal-comido dos infernos” e me incluindo por extensão em seu projeto de “vingança”? Então…

      WPC>

  5. Você então tem problemas com os “filmes vingança” ou sua paixão pelo cinema supera essa aversão? Irreversível (que ME causou ojeriza) você não assiste ou vê como obra de arte? (apenas para ficar com um exemplo).
    Ah! Sim, sua presunção desconcerta, mas pode acreditar, não tenho problemas com isso. Considerando que eu jamais poderei emitir um parecer confiável sobre qualquer coisa que eu escreva, o melhor que faço é refletir sobre o que os outros escrevem sobre meu texto (é outros aqui restringe-se a muito pouca gente, você sabe).

    Só não sei dizer se o conto é ruim (do seu ponto de vista, claro) por conta da forma ou por conta do que a mensagem que dele voce retira causa em você.

    • O que me lembra um adágio basilar do Orson Welles: “todo filme é bom, na medida que exprime o homem que o criou”… Por isso, que eu concordava com Reinaldo no que tange a ver filmes ruins – Mas os motivos dele eram bem diferentes dos meus, diga-se de passagem (risos)

      Não é que eu tenha achado o conto ruim, mas a frase final (me) estragou tudo!

      E eu desgosto de IRREVERSÍVEL (problemas com o exibicionismo pornográfico de quinta categoria do Gaspar Noé), mas acho as últimas cenas (o idílio romãntico do casal, antes da tragédia) lindas, lindas… Vincent Cassel e Monica Bellucci formaram um casal extraordinário!

      WPC>

      • PS: e quando disse “(me) estragou tudo” refiro-me à forma e ao que ele me causa… Desgostei de coração desta última frase… Ah, se pudéssemos suprimir o que não gostássemos numa obra de arte(kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk), quão covardes seríamos!

        Sou daqueles que crê que ARTE RUIM existe!

        WPC>

  6. PS do PS: “daqueles que crêem” (em mais de um sentido)

    Mas é isso: o problema maior talvez seja de incompatibilidade genérica. Explico: quando me disponho a ver um filme apologético à vingança, já me preparo pré-conceitualmente (risos)

    No caso do teu conto, não deu tempo (risos)

    WPC>

    • Essa sua última frase convenceu-me de que o meu conto atingiu um dos objetivos da boa literatura: surpreender. E consegui fazê-lo com duas palavrinhas! Estou feliz! 😀

  7. PS: mas que conste dos autos que fico feliz que estejas feliz…

    Numa futura e hipotética conversa pessoal, a gente conversa sobre isso, para não parecer que estou retroalimentando uma guerra de egos aqui. Vale acrescentar que mesmo odiando O SEXTO SENTIDO e amando O PATRIOTA, sou fã do M. Night Shyamalan e abomino o Roland Emmerich. Isto explica o que quis dizer com o último comentário, visse?

    WPC>

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s