O Conde de Monte Cristo, 2002

Por José Eduardo Ribeiro Nascimento

Depois de quase sete meses que li a obra, assisti ao filme, de 2002, dirigido por Kevin Reynolds. Como pode-se conferir no post que fiz sobre o livro, eu me apaixonei pela obra e pelo estilo de Dumas, estilo este que acompanhei, também, na leitura de Os três Mosqueteiros (post aqui). Chega de blá, blá, blá, vamos ao que interessa: o filme.

O filme é ruim, e não me agradou nem um pouco. Não apenas por ter resumido e adaptado o enredo de uma forma grotesca, mas por que eles MUDARAM coisas totalmente relevantes da obra. Não é um filme do livro, é um filme baseado no livro. Já do começo reparamos na amizade que Dantès tem com Fernand, amizade esta que não existe no livro. Claro que isso não é muito relevante, já que o resultado final, o desfecho, poderia ser o mesmo do livro.

Mas, quando os minutos foram passando fiquei cada vez mais inquieto, e se não estivesse assistindo com Renata, talvez eu tivesse desligado o computador no meio do filme e saísse para fazer qualquer outra coisa; fiquei, porém, e vi o filme cada vez mais tomar rumos diferentes do livro. No filme A Sociedade do Anel, vemos Gandalf descobrir o anel, bater em retirada, e daqui a pouco ele volta, com uma missão desafiadora para Frodo, dando a impressão de que não se passaram mais do que dois dias. Qual não foi minha surpresa, ao ler o livro, saber que ANOS se passaram com Gandalf fazendo visitas esporádicas para estudar o efeito do Um Anel em Frodo.

Em o Conde de Monte Cristo acontece algo semelhante, mas ao contrário de Senhor dos Anéis, em que esquecer aquele fato do enredo não compromete a degustação do mesmo, eles ignoraram a passagem de tempo. O enredo do filme, o que ele passa, é que Dantès chega de viagem, é acusado, preso, passa alguns anos na prisão, apenas o suficiente para sua barba crescer, conhece o padre, dois anos depois ele escapa, acha o tesouro, fica rico, compra coisas, se vinga, pega sua mulher, e vai viver um casamento, tardio, mas feliz. Na estória real (engraçado falar estória real), Dantès fica preso por longos anos (não tenho muita certeza, assim de memória, mas arriscaria 12 a 14 anos), depois de solto ficou um tempo trabalhando como marinheiro (Luigi Vampa não era um contrabandista comum, era um bandido lendário), e depois de pegar a fortuna na ilha, assumiu outras identidades, como Simbad, o marujo, e Lorde Wilmore, apenas para observar, durante mais alguns anos, seus inimigos, para planejar o seu plano triunfal.

Não é a toa que todas as frases, e as respostas para essas frases, no livro, já eram orquestradas, imaginadas, calculadas por Dantès. O desenrolar da vingança no filme foi ridículo, sem nenhum ponto em especial. Não há acasalamento entre Dantès e Mercedes, nem no começo nem no final do livro. Não preciso nem dizer que o final não tem NADA a ver com o livro.

Finalizo por aqui essa consideração dizendo que o filme  não conta a mesma estória do livro. Com o desenrolar da vingança, e o romance entre Mercedes, Dantès, e seu “filho”, Albert (outra coisa: no livro, Mercedes passou dezoito meses de luto por Dantès, ouçamos bem: de luto. Ou seja, ela passou um tempo crendo que Dantès estava vivo, aguardando-o. Depois de oficializada a morte ela passou um tempo de luto, para depois casar com Fernand. Conclusão: Albert não é filho de Dantès), me imaginei assistindo a um capítulo de “vale a pena ver de novo”, claro, se existisse um capítulo bom de novela. É a história de um homem que se vinga, e vive feliz com sua mulher e filho. O livro não é sobre isso. Não, não é.

8 Respostas para “O Conde de Monte Cristo, 2002

  1. Ufa, tu me tranqüilizaste deveras. Também desgostei muito deste filme, apesar de o pessoal lá de casa gostar bastante… Não li o livro ainda, por causa dos motivos pessoais que penso ter explicado na tua postagem, mas… Darei uma chance algum dia, tenho certeza de que ganharei com isso!

    Na moral, tranqüilizaste-me muito com esta postagem…
    E o Kevin Reynolds é um bom diretor de filmes de ação: ROBIN HOOD, O PRÍNCIPE DOS LADRÕES é um clássico aventuresco moderno!

    WPC>

    WPC>

  2. Já assistir a esse filme e o considero muito bom, talvez ele não seja igual ao livro mas se fosse completamente igual teriamos que escolher entre ver o filme ou ler o livro pois niguem merece repetições. Aceito sua crítica a mudança de fatos, mas não concordo que o filme seja ruim. Em todo caso parbéns pelo texto crítico.

    • O fato de haver um bom filme sobre um livro não significa que se pode escolher entre um ou outro para ler/assistir. Bons livros merecem bons filmes. A questão neste filme é que ele muda grande parte do enredo do livro, que é um de meus preferidos. A questão principal é que ele não contou a mesma história do livro, mudando pontos cruciais. E isso, para mim, é imperdoável. :-)

  3. O enredo da historia é bastante simples.A historia centra-se em Edmond Dantés, um jovem marinheiro que aspira ser promovido a capitão e casar com Mercedès, uma bela mulher que vive nas Catalans.
    Infelizmente existem duas pessoas que desejam que Edmond não tenha sucesso: Danglars, que quer ser capitão e Fernand que está apaixonado por Mercedès. Os dois rivais decidem escrever uma carta de acusação contra Edmond, por colaborar com o exilado .
    Enquanto está na prisão, Edmont Dantes conhece um homem já de alguma idade, que afirma conhecer a localização de um grande tesouro escondido numa gruta na Ilha de Monte Cristo.

    Quando o homem morre, Edmont esconde-se no saco que transporta o corpo, é atirado ao mar e escapa. Ele arranja uma tripulação (uma vez que ele é marinheiro), arranja um barco, vai até á Ilha de Monte Cristo, e descobre o tesouro. Ele utiliza a vasta riqueza para criar outra personalidade e vinga-se dos seus inimigos.

    • No quesito vingança é que está o maior problema. O livro é dividido em dois volumes de cerca de 800 páginas cada. as primeiras 800 relatam do início até quando ele encontra o tesouro. O segundo volume é unicamente para explicar o engenhoso plano de vingança e redenção de Dantès. O filme é muito resumido.

      Para mais detalhes do livro vocês podem acessar minha resenha sobre ele. Há o link no texto sobre o filme. :-)

  4. Ao meu ver, o filme é bom, porém, como o amigo disse, é “baseado” no livro. Vi também os extras do filme e os comentários do diretor que deixou muito claro sobre isso. O que vemos, na realidade, são duas histórias diferentes, mas, ambas têm seus méritos e defeitos (é a minha opinião). O filme, é óbvio que todos sabem, se siguisse fiel ao livro, deveria ter pelo menos, umas 6 horas, no mínimo. O diretor fez uma bela obra baseado sim no fato exclusivo da vingança de Dantès. Não entrou em detalhes sobre a vida dos filhos de seus algozes, o que fugia um pouco a vingança. Talvez exagerou quanto ao fato do contrabandista Vampa na ilha, mas a história não perdeu qualidade. Imagine agora, como seria no filme, maçante a história da interpretação do Sr. Noirtier por meio de piscadelas e dicionário? Algumas histórias paralelas que não envolvem Monte Cristo em seu desejo de vingança?
    Infelizmente vi primeiro o filme, mas é triste saber que o protagonista não terminou com sua amada de juventude, importando ou não se Albert era seu filho. O final, que me desculpem os fãs de Dummas, me decepcionou pelo simples fato de que Monte Cristo vingou-se também de Mercedes. O que fez Dantès? Comprou uma escrava aos onze anos para se vingar de um inimigo, passando a expressar por ela amor paterno, e no fim, vive um romance com a mesma, deixando a pobre Mercedes que passou anos que não o esquecia, solitária e infeliz, longe também de seu filho que se alistou? Pode se dizer que Dantès teve um final feliz? Acho que Dummas perdeu-se um pouco em seu próprio enredo (já disse, é a minha opinião) incluindo pensonagem como Cavalcanti, que não acrescentou em nada e o Barão Franz d’Epinay que também não faria falta. Acho que Dummas poderia não só escrever um final mais feliz, como também passar alguns valores aos seus leitores como, em volta a uma teia de egoísmo e ambição na sociedade parisiense, fazer que Monte Cristo abra mão de boa parte de sua fortuna para viver feliz com sua amada e enteado.

  5. Fabio, Mercedez não teve um final feliz, porque ela mesma não quis, a vingança do Edmond foi contra o marido dela, e só. Se Mercedez e Albert quiseram se desfazer da herança do Mondego por considerar um dinheiro sujo e indigno deles, aí é problema deles, até Dantés argumentou que era uma loucura abandonar a fortuna.E tem mais uma coisa, Mercedez escolheu se casar com Fernand, mesmo amando o Edmond,só pra não ficar sozinha,ela admite isso para Dantés, e pode ser comprovado a falta de amor dela em relação ao marido quando ela o abandona quando sua culpa na morte de Ali Paxá se torna pública.

    E se Dantés ficou com a Haydée, foi porque ele se apaixonou por ela.

  6. Você pode conhecer o livro mais não entende nada de filme. Um filme que remove pontos importantes de um livro não o torna necessariamente ruim. Afinal livro é livro, e filme é filme, ele não é pra ser uma releitura da mesma história que todos conhecem. Até porque isso é IMPOSSÍVEL, você não acha? É isso que sua mente é incapaz de processar. Decretar que um filme é ruim (quando na verdade ele é bom) apenas porque ele não retratou o livro fielmente (que como eu já disse, é impossível), mostra que você não tem propriedade pra assumir a responsabilidade que pegou pra si em “tentar” avaliar um filme. É, tentar com aspas mesmo, porque sua tentativa passou foi longe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s