Purgatório – Paulo Dantas

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

Estou em busca de um tema para meu mestrado (ou estava?). Pretendo tentar a seleção para o Prodema (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente), da UFS. Uma das minhas “condições” para entrar no mestrado é encontrar um tema que seja compatível com a proposta do Prodema e que envolva literatura. Um dos professores do Prodema, da área de Filosofia, sugeriu-me há algum tempo, “A Natureza em Os Sertões”. Gostei, mas não queria estudar Euclides da Cunha. Queria estudar Essa Terra, de Antonio Torres, uma obra-prima, na minha opinião, com muita influência de Faulkner, especialmente de Enquanto Agonizo. Descobri, todavia, que alguém já escreveu uma dissertação sobre o romance contemplando mais ou menos o que eu gostaria de abordar: a relação quase mística entre homem/terra no nordeste, expressa na obra.

Comecei a pensar em estudar autores locais. Pensei inicialmente naquele mais aclamado: Francisco J. C. Dantas. Imaginei, todavia, que houvesse torrentes de dissertações, teses e monografias sobre o escritor sergipano. em pesquisa ao sítio da Biblioteca da UFS, todavia, pouco ou nada encontrei, e conversando com esse mesmo professor e com outras pessoas mais próximas da área, todos me confirmaram que não se costuma estudar o autor de Coivara da Memória.

Perfeito, pensei. Mas algo me inquietava. Resolvi pesquisar mais sobre autores sergipanos que abordaram a questão da seca e cheguei a Paulo Dantas, escritor nascido em 1922 em Simão Dias, cidade sergipana vizinha a Paripiranga/BA, minha cidade natal. Descobri que Paulo Dantas escreveu bastante (mais de 30 obras) sobre muitas coisas: estudos sobre Monteiro Lobato, Euclides da Cunha, Guimarães Rosa, o cangaço, além de obras de ficção, dentre elas, uma “trilogia nordestina” composta por “Chão de Infância”, “Purgatório” e “O Livro de Daniel”.

Tendo passado num sebo de Aracaju acabei encontrando Purgatório e comprei-o imediatamente. Li-o agora há pouco, no avião, de uma só vez (são só 150 páginas). Não fazia ideia do que esperar, e, assim como aconteceu com o livro do Cristóvão Tezza, isso revelou-se esplêndido.

Esperava mais um livro sobre os sofrimentos do povo do nordeste com a seca (apesar de que, sabendo que o livro se passava em Simão Dias, tinha conhecimento de que de sede não se morre por lá). Encontrei, todavia, uma concepção originalíssima, envolvendo religião, que justifica bem o título do romance. Dei-me conta, então, que a religião é indissociável do sertão nordestino, seu povo e sua terra. Um estalo: encontrei meu tema de mestrado. Falta apenas comprar na Estante Virtual os outros dois livros da trilogia.

Anúncios

4 Respostas para “Purgatório – Paulo Dantas

  1. Tenho certeza que, quando finalmente entrar em contato com este autor, serei tão iluminado quanto tu… O tema da seca me interessa por demais, bem como os temas psicológicos tangenciais, que fazem com que eu considere O QUINZE (da Rachel de Queiroz) e OS DESVALIDOS (do Francisco Dantas) alguns dos melhores livros que já li: a d]identificação é profunda e supra-situacional. Obras-primas, de coração…

    Ótima postagem sobre catarse de princípios. Do jeito que mais gosto (risos)

    WPC>

  2. Há um capítulo no livro com as divagações de um ex-padre que valeria sozinho todo o livro e que tenho a impressão firme de que faria você se tornar fã do livro. Empresto-lhe quando quiser.

  3. Vcs estão escrevendo bem demais. Algumas palavras preciso procurar no dicionário. Rsrs. Abraços a todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s