O Complexo de Portnoy – Philip Roth

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

Meu primeiro contato com o cultuado autor de Pastoral Americana, único escritor americano vivo a ter a sua obra definitiva publicada pela Library of America. Perguntava-me eu seria Philip Roth isso tudo?

É estranho, difícil mesmo, pensar que esse livro foi escrito em 1969. Quarenta e dois anos e o livro ainda parece bastante ousado. E a história de Alexander Portnoy, judeu bem sucedido profissionalmente que não consegue escapar da sua família, do ser judeu e que se ressente, principalmente, da educação repressora que recebeu. O reflexo disso? O onanismo, uma vida sexual totalmente desequilibrada, assim como são desequilibrados os seus relacionamentos afetivos.

Alexander Portnoy conversa com seu psicólogo. Todo o livro é uma longa conversa em primeira pessoa. E fica evidente que o objetivo do autor é que o livro seja todo devorado de uma só vez, em um só fôlego. O ritmo da história é perfeito, e a habilidade de Roth para contá-la como se realmente existisse um Alex Portnoy e ele estivesse abrindo seu coração é desconcertante de tão boa. Duas características são marcantes no texto: o linguajar pesado, de quem está mesmo diante de um psicólogo e não liga nem um pouco para o fato de haver ou não crianças na sala e o humor, o mais refinado senso de humor. Há bastante tempo não lia algo tão intrinsecamente divertido (no sentido de ser realmente engraçado) e bom ao mesmo tempo.

Enquanto se lamenta por não conseguir se desgarrar dos pais, mesmo já morando longe deles, e enquanto se odeia por se sentir culpado pelas atitudes que toma e que, via de regra, desagradam seus pais, como não casar, viajar sem avisá-los, não ligar com freqüência para eles etc., Alex Portnoy refaz o itinerário da sua vida tentando compreender onde reside a cura para seus problemas. Menino inteligentíssimo, um novo Einstein, como diziam dele seus familiares, sempre foi obcecado pela masturbação e quanto mais se martirizava pela culpa, mais se masturbava. Enquanto isso, a mãe e o pai, caricaturas judias, infernizavam sua vida, sempre podando, delimitando, freando, impedindo, fechando.

Há inúmeras passagens memoráveis, mas aponto abaixo apenas uma. Quem quiser mais, vá ao livro!

Eis que chega meu pai, após um dia agradável tentando vender apólices de seguro de vida a negros que nem têm certeza se estão mesmo vivos, eis que ele chega em casa e encontra uma mulher histérica e um filho metamorfoseado – porque o que foi que eu fiz, eu, a bondade em pessoa? Incrível, inacreditável, mas o fato é que dei um chute na canela de minha mãe, ou então a mordi. Não quero parecer que estou contando vantagem, mas realmente tenho a impressão de que fiz as duas coisas.

 

Ah! E Philip Roth subiu diversos degraus na minha lista de autores por conhecer. O próximo livro já está até comprado: Homem comum.

Anúncios

9 Respostas para “O Complexo de Portnoy – Philip Roth

  1. Tenho um professor que fala maravilhas deste Philip Roth. Nunca li nada dele, mas vi algumas decepcionantes adaptações para o cinema. Tua sinopse me deixou ansiosíssimo para conferir a estória: corroboro a tua conclusão, mesmo sem ter lido o livro (risos) – WPC>

  2. Pingback: Melhores Momentos – 2011 « Catálise Crítica

  3. Pingback: Homem Comum – Philip Roth « Catálise Crítica

  4. Pingback: Sorteio Especial: 4 anos do Catálise Crítica!!!!! | Catálise Crítica

  5. Meu Deus, eu preciso disto: ” Menino inteligentíssimo, um novo Einstein, como diziam dele seus familiares, sempre foi obcecado pela masturbação e quanto mais se martirizava pela culpa, mais se masturbava. Enquanto isso, a mãe e o pai, caricaturas judias, infernizavam sua vida, sempre podando, delimitando, freando, impedindo, fechando.”. Eu preciso!!!!! (WPC>)

      • Tendo lido o livro, Leonardo, graças ao teu prestimoso empréstimo, entendo a tua empolgação com a obra, concordo bastante com a observação acerca da sugestão de consumo em um só fòlego, mas, comigo, não funcionou tão bem como para contigo… Apesar de ter certeza de que, à época em que foi lançado, deve ter causado uma polêmica extrema, hoje ele foi banalizado pelo que Woody Allen faz no cinema, justamente explora do os cacoetes do protagonista do livro: o pressuposto ateísmo enquanto vingança, a masturbação substitutiva, a opressão materna, etc…. É um livro indubitavelmente inteligente, mas achei-o chato pacas, desgastado por suas imitações… Odiei o protagonista, não aguentava mais tanto comentário de gueto judaico, argh! Mas irei em busca de mais livros do autor, elogiado ao extremo por mais de uma pessoa confiável! (WPC>)

  6. Apesar de já ter visto vários filmes de Woody Allen, para mim o tema não estava saturado. Pena que você não apreciou o livro como eu o fiz. Tente outra obra de Roth.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s