A moto no chão

Leia, clicando aqui, o início da A história de Elias

A moto no chão

Quando Elias e Samuel saíram da cena do crime, todos já haviam cumprido com o seu papel. Os dois policiais fizeram a averiguação e análise do corpo e cenário; o motorista da ambulância trouxe o médico e este atestou o óbito; o fotógrafo fez perguntas tolas e tirou várias fotos; e os muitos alguéns disseram muitas coisas e foram embora. Por último, recolheram o corpo, depositaram na ambulância e levaram-no ao Hospital.

A viatura percorreu pouco mais de três quilômetros de estrada. O policial ao volante tragava e melodiava à meia voz; Elias, no banco da frente, mantinha o olhar fixo na estrada e não dizia uma palavra. Atrás, Samuel, despreocupado, sereno, observava-os. Será preciso levar o corpo para o IML? ele perguntou. O policial tragou, virou o rosto, soprou a fumaça pela janela e disse O procedimento padrão, e tossiu. O procedimento padrão, e tossiu mais duas vezes. Contudo…

Contudo o quê?

Ele limpou o pigarro na garganta e então disse O esposo pode assinar um termo de compromisso na Delegacia e pedir a um dos médicos do hospital para assinar o atestado de óbito.

E quem daqueles poderia fazer isso… Tem amizade com algum médico do hospital, Elias?

Não. Mas eu peço ao prefeito e ele manda um na delegacia. Esquente com isso não.

O policial parou a viatura do outro lado da estrada e desligou o motor. Vamos, ele disse. Ajeitou o revólver no coldre e saiu e fechou a porta e atravessou a estrada. Ao se aproximar do terceiro e quarto policial, disse E então, descobriram mais alguma coisa?

Samuel ficou parado a poucos metros observando. Ficar por aqui mesmo, ele disse, e gesticulou com a mão como se dissesse Vão, podem ir.

Elias se aproximou dos policiais e acenou com a cabeça e fitou a moto no chão. Deus do céu, pensou.

É o senhor Elias? perguntou o terceiro policial que estava agachado.

Sim, sou.

Policial Otávio, ele disse, e se levantou, enxugou o suor da testa, limpou as mãos na calça e apertou a mão de Elias e se agachou novamente.

Elias conhecia o terceiro policial superficialmente e gostava dele o suficiente para jogar futebol no mesmo time todo sábado à noite. O quarto era novo na corporação. Havia sido transferido fazia três meses. Ele conversava com o único morador da região. Era um homem alto, nutrido, pele bem cuidada, com uma cabeça redonda embaixo do cabelo curto e preto, penteado de lado, como um âncora do jornal das oito. Tinha no rosto um ar de satisfação consigo mesmo. Usava botas de cano alto e um cinto de fivela grosso e parecia uma boa pessoa até abrir a boca. Tenha um bom dia, Seu Cinja. Vá com Deus.

Tenente Chris Welber, ele disse, e estendeu a mão.

Elias.

Que ano é essa moto?

83.

Vermelha.

Vermelha.

Antiga, mas bem conservada.

É.

Está emplacada?

Sim, está.

Não foi uma pergunta retórica. Foi mais a título de informação. Ele deu uma volta ao redor da moto e disse Então vejamos, o pneu da frente está careca, não é?

Bem observado.

O de trás tem um rasgão.

Elias olhou de relance para o policial e pensou Que cara idiota, então se agachou, tocou a mão no pneu e ficou matutando.  O meu parceiro aqui acredita que isso tenha sido feito por uma arma branca, disse o Tenente. Uma faca ou um facão.

Concordo, disse Samuel ao se aproximar às costas.

Se o senhor me permite, disse Elias, o que aconteceu aqui foi queima de arquivo, só isso. Tudo premeditado. Vocês viram o tiro na cabeça. Apenas um. No meio dos olhos. Serviço bem feito e limpo. Sabiam que ela ia para a casa da mãe. Sabiam que ela estaria sozinha. Sabiam que ela ia passar justamente nesse horário e naquele corredor. Pegaram a moto e deixaram largada no aceiro e cortaram o pneu para dizer que ele estourou. Olhe esse corte. Alguém por aí quer desgraçar a minha vida, e achou que apagando a minha mulher ia me meter medo. Otários.

Calma, disse Samuel, melhor manter a calma.

Calma o cacete, porra. Sabiam que eu não ando dando as caras e se aproveitaram porque era mulher. Filas duma puta. Por que não vieram me encarar? Safados.

O tenente fez umas anotações mentais. Olhou a moto, a cerca, a estrada e os dois caminhos que levavam àquele ponto. Mediu distâncias com os passos, disse Humm, pode ser. Fez um esboço do cenário e do acontecido e então disse Realmente, você tem razão. Não foi um acidente. Foi crime premeditado. Elias fechou o punho para socá-lo, mas não o fez. Afastou-se e puxou Samuel pelo braço e caminhou até a viatura. Vamos para casa, ele disse. Preciso comprar o caixão.

E quanto à moto? perguntou o Tenente.

Enfie no cu, disse Elias, mas somente ele ouviu isso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s