Resenha – Barba Ensopada de Sangue – Daniel Galera

Barba ensopada azul_bx

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

Procuro sempre conhecer os novos autores brasileiros que têm mostrado que a nossa literatura está em boas mãos. Às vezes me decepciono, outras vezes, tenho grandes surpresas e identifico imediatamente nas primeiras páginas do livro que estou lendo um grande autor. Como estou sempre acompanhando blogs sobre literatura, ouvi muito falar de Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera. Vi que foi destaque em 2012, figurando em diversas listas de melhores do ano, mas não fui atrás do enredo, nem da biografia do autor. Tinha muitos livros na minha lista (como sempre). Umas duas semanas atrás deixei meu filho divertindo-se na seção infantil da livraria e, como de hábito, fui vasculhar as estantes de literatura. Como eu teria um tempo razoável até o retorno da minha esposa, decidi escolher um livro para começar a ler. Caso ele me fisgasse, eu o compraria. Encontrei de imediato o livro de Daniel Galera e sentei-me confortavelmente para iniciar a leitura.

As expectativas a respeito do livro provinham apenas de duas fontes: os rasgados elogios já citados aqui, que me fizeram esperar um romance de qualidade, e o título, que me levaram a imaginar o tema e o estilo narrativo. Barba ensopada de sangue. Violência, narrativa ultramoderna, ágil, inovadora. Instintivamente, meu cérebro associou o livro a O Único Final Feliz Para Uma História De Amor É Um Acidente, de J. P. Cuenca, um livro curto, ligeiro, ousado.

Eu não poderia estar mais certo em relação ao primeiro aspecto e mais errado em relação ao segundo. Nas primeiras páginas já pude ter certeza de que Daniel Galera se trata de um escritor maiúsculo. À medida que fui avançando, todavia, percebi que não havia nada de ultramoderno ou de urgente na narrativa de Galera. Paciência, cuidado, exatidão talvez sejam palavras que se enquadrem melhor no que fui lendo. Decepção? Nada!!!

Barba ensopada de sangue é daqueles livros que vão conquistando você sem precisar gritar, sem precisar fazer alarde. A sensação de realismo evocada pelo livro é impressionante. É como se o livro fosse quase um documentário, um relato biográfico. Eu digo quase porque é justamente esse quase que faz toda a diferença. Um professor de educação física que padece de uma condição neurológica peculiar – ele não consegue guardar rostos – muda-se para uma pequena cidade onde, muitos anos atrás, seu avô teria sido brutalmente assassinado. Ele quer recomeçar sua vida, mas também está curioso para descobrir o que realmente teria acontecido. Tendo herdado de forma inusitada uma cadela após o suicídio de seu pai, ele aprendeu que é necessário prestar muita atenção aos detalhes, e isso é refletido no modo como Daniel Galera conta a sua história. O cuidado vai desde a forma como descreve um fusca caindo aos pedaços até o preciosismo na hora de narrar os mais corriqueiros hábitos do protagonista, que jamais recebe um nome. Assim, tornamo-nos íntimos dele. Sabemos o que costuma comer quando chega em casa à noite, como consegue se concentrar para correr, quais são os defeitos que seus alunos de natação mostram na hora que estão na piscina.

Barba ensopada de sangue tem 422 páginas, algo incomum no mercado brasileiro, onde impera o formato de romance curto, para ser lido de uma só vez. Mas não há enchimento de linguiça. É que Daniel Galera tem o que contar. E sabe contar. Fico embevecido com a habilidade e o domínio narrativo de Galera. Se destaquei o primor nas descrições, nos detalhes, talvez o maior mérito do livro sejam mesmo os diálogos. São vivos, ricos, duros, reais e literários ao mesmo tempo:

Sei quem é, diz o Bonobo. Uma negra com voz de cantora. Ela tava num luau que fizeram ali na Ferrugem um mês atrás. Achei ela meio fechada. Não foi muito com a minha cara. Chegou e foi embora sozinha. De moto. Vi ela no máximo umas três vezes por aí, não deve se misturar muito. Mas é uma rainha. Engraçado tu perguntar dela porque me passou pela cabeça que vocês dois tinham a ver. Ela me faz pensar em ti.

Ela me faz pensar em mim também.

Vou fingir que não ouvi isso.

Desculpa.

Tá amando, nadador?

Talvez.

Pobre homem. Estarei aqui quando precisar.

Falando um pouco do enredo, o nadador descobre ao chegar a Garopaba que ninguém quer falar sobre o assunto da morte de seu avô, com quem ele próprio tem uma incrível semelhança, que aumenta assustadoramente quando ele resolve deixar crescer sua barba.

Depois de algumas tentativas frustradas de desencavar fatos antigos, ele acaba deixando seu avô um pouco de lado e tenta tocar a sua vida. Conhece uma moça, de quem começa a gostar, Bonobo, um improvável budista, com quem inicia uma amizade, e vai vivendo. Enquanto vai recapitulando os acontecimentos que marcaram sua vida, o encontro com a história de seu avô parece inevitável, e aos poucos vamos descobrindo o porquê do título do livro.

Barba ensopada de sangue é um exemplar de altíssima qualidade e que mostra como há bons escritores no Brasil. Não perderei a oportunidade de ler o que Daniel Galera já disse com seus livros já publicados e ainda tem a dizer.

Minha Avaliação:

4 estrelas em 5

Anúncios

7 Respostas para “Resenha – Barba Ensopada de Sangue – Daniel Galera

  1. Ótima resenha!

    Estou terminando de ler “Barba ensopada de sangue” e gostei muito da narrativa do Galera, na verdade, gostei mais do que eu esperava. Com certeza irei ler mais coisas dele.

    Uma outra surpresa literária que tive recentemente foi “O Sentido de um Fim”, do Julian Barnes. O livro fala sobre amor, perdas e suicídio. É muito bem escrito, leia um dia, acho que vai gostar.

    • Obrigado pelo comentário, Alexia, e também pela sugestão. Como deixei bem caro, Daniel Galera foi uma gratíssima descoberta. Vou conferir assim que puder O Sentido de um Fim.
      Abraços e volte sempre ao blog!

    • Só uma observação, Eduardo: não dá para comparar o que Daniel Galera escreveu ao que produziu Ricardo Ragazzo. Não são apenas níveis diferentes, mas universos completamente distintos.

  2. Pingback: Sorteio Especial: 4 anos do Catálise Crítica!!!!! | Catálise Crítica

  3. Pingback: Top 10 – Leonardo | Catálise Crítica

  4. Adorei a resenha. Sou autora da trilogia Pacto Secreto e do suspense CAFÉ FORTE. Gostaria de firmar uma parceria, basicamente enviar o livro para resenha. Vocês se interessam? Abraço, Eliane

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s