Resenha – 1Q84 – Livro 2 – Haruki Murakami

1Q84-Livro-2

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

Quem quiser saber mais sobre 1Q84 e sobre Haruki Murakami, leia meu post anterior aqui, sobre o livro 1.

Como é de se esperar, no livro 2 a história avança bastante e começamos a vislumbrar quão insano é o universo criado por Murakami. Aprendemos mais sobre o porquê das duas luas, conhecemos o fascinante líder, aprendemos também sobre o povo pequenino e sobre a relação entre Aomame e Tengo.

A impressão que tive é que o ritmo deu uma arrefecida. Nem de longe quero dizer que o livro 2 é inferior ao livro 1. Pelo contrário, uma vez que já conhecemos os personagens, Murakami vai aprofundando seus backgrounds, esclarecendo alguns mistérios e, principalmente, fazendo-nos perceber que, no final das contas, 1Q84 é uma história de amor.

Sem entregar a trama do livro, para mim é especialmente bem trabalhado um assassinato que Aomame tem que cometer. Ao invés de partir imediatamente para a ação, Murakami investe tempo para deixar toda a situação bem esclarecida e, principalmente, criar tensão. E isso ocorreu de tal forma que eu queria interromper meu trabalho para continuar a leitura e descobrir como ia terminar aquela história. A única frustração ao terminar a leitura desse livro 2 (por sinal eu o li bem mais rapidamente que o livro 1) foi constatar que demorará uns seis meses para eu saber como termina essa história.

Voltando às comparações, Murakami continua impecável:

Tengo observa um homem bastante estranho que veio conversar com ele:

“Os dentes eram desalinhados, e a coluna arqueada num ângulo esquisito. O alto da cabeça era grande, estranhamento achatado e calvo, com as pontas dos cabelos recurvas. Lembrava um heliporto militar construído estrategicamente no alto de uma colina. Tengo vira um desses num documentário sobre a guerra do Vietnã. Os poucos cabelos pretos, de fios grossos e crespos, que ainda se agarravam ao redor da calvície estavam tão compridos que, em desalinho, cobriam as orelhas. De cem pessoas, noventa e oito certamente associariam aqueles cabelos a pelos pubianos. Quanto às outras duas, Tengo não tinha ideia do que poderiam pensar.”

“O terno cinza que ele vestia, de tão amarrotado, lembrava uma terra devastada pela passagem de uma geleira.”

Aomame num hotel antigo:

“O saguão do hotel Ôkura era amplo, de pé-direito alto, e a luminosidade reduzida o assemelhava a uma colossal caverna sofisticada. As vozes indistintas daqueles que conversavam sentados nos sofás ecoavam pelo salão como suspiros de animais estripados. O carpete espesso e macio lembrava musgos pré-históricos de alguma ilha do extremo norte, absorvendo o som dos passos ao longo dos séculos. As pessoas que caminhavam pelo salão eram como um grupo de fantasmas que, desde tempos imemoriais, era mantido preso àquele lugar, repetindo ininterruptamente as mesmas funções impostas por um feitiço.”

E uma das mais fetichistas descrições de uma orelha:

“Porém ela parecia bem diferente de quando ele a vira naquela manhã. Era porque – Tengo levou tempo para perceber – ela estava com o cabelo preso, com as orelhas e o pescoço à mostra. O par de pequenas orelhas rosadas parecia ter acabado de ser feito e, para finalizar, uma escova de cerdas macias havia deixado a pele lisa, sem marcas. Pareciam ter uma finalidade puramente estética, e não a função objetiva de ouvir sons. Pelo menos era assim que Tengo as via. O pescoço elegante, fino e longo, resplandecia como o brilho das verduras que crescem sob os auspícios da abundante luz solar. Um pescoço imaculado, que combinava com o orvalho da manhã e as joaninhas. Apesar de ser a primeira vez que Tengo a via de cabelo preso, aquela imagem lhe transmitia beleza e uma sensação de milagrosa intimidade.

Tengo havia fechado a porta atrás de si, mas se mantinha parado na entrada. As orelhas e o pescoço dela o deixaram confuso e encabulado, como se estivesse diante de uma mulher totalmente nua. Como um explorador que acabou de descobrir uma fonte secreta na nascente do Nilo, permaneceu mudo, os olhos fixos em Fukaeri. Suas mãos continuavam segurando a maçaneta.”

Que venha o livro 3!!!!

Minha Avaliação:

5 estrelas em 5.

Anúncios

6 Respostas para “Resenha – 1Q84 – Livro 2 – Haruki Murakami

  1. Pingback: Serena – Ian McEwan | Catálise Crítica

  2. Pingback: Top 10 – Leonardo | Catálise Crítica

  3. Oi Leonardo…. estava procurando críticas sobre a trilogia de 1Q84 e me deparei com seu blog que por sinal é interessantíssimo!!!! Gostaria de saber se vc já leu o livro 3… e o que achou… porque eu ainda estou lendo o Livro 2 e confesso que estou bemmmm angustiada… Afff!!! Aguardo sua resposta!

    • Oi, Kelly. Obrigado pelo elogio.
      Já comprei o livro, mas ainda não li. Fui começar, mas vi que minha péssima memória atrapalharia muito a leitura. Li o livro 1 há menos de um ano mas já não lembro de todos os detalhes. Decidi, portanto, que releria os três livros de uma vez. Estou terminando um outro livro, por isso ainda nem recomecei o primeiro.

      Mas estou ansioso para terminar a trilogia, uma obra viciante.

      Ah! Aproveite e “vasculhe” o blog. Quem sabe você não encontra mais textos que lhe agradem?

      Abraços!

  4. Ahhh… e vc acha que eu já não vasculhei o blog??? E curti a pagina lá no FB tb!!!! Então… vamos seguir com Murakami…. e descobrir o que é tudo isso afinal…… 😉 Obrigada pela resposta! 🙂

  5. Pingback: Resenha – Trilogia 1Q84 – Haruki Murakami | Catálise Crítica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s