Resenha – Garota Exemplar – Gillian Flynn

Garota exemplar - Gillian Flynn

Por José Leonardo Ribeiro Nascimento

selo_blogparceiro_2013.1

Eu nunca havia lido um thriller antes.

Também não sei direito por quê. O mais próximo que cheguei de livros como esses, imagino, foram um ou dois da Agatha Christie (não conta, né?), algumas histórias de Sherlock Holmes, além de Raymond Chandler e Dashiell Hammett (definitivamente, estes não contam).

Para mim, o thriller é um produto tipicamente americano, fruto de um povo que gosta de ler, gosta muito de ler. Boa parte deste povo, entretanto, não está muito interessado em dramas oitocentistas ou em literatura cabeça demais. Quer diversão, quer se assustar, se inquietar, sentir medo, alívio, surpresa ao avançar nas páginas de um livro. E o thriller oferece exatamente isso.

Antes de falar de Garota Exemplar, devo avisar que a primeira vez que ouvi falar dele não me deixou uma impressão muito boa. O nome do livro veio com uma notícia mais ou menos assim: “O livro que desbancou Cinquenta Tons de Cinza na lista dos mais vendidos”. Se por um lado, isso é bom – parece que finalmente pararam de adorar tanto esta série que não li e não gostei –, por outro fica o alerta: se ele concorre com um livro soft porn, não deve ser muito bom.

Como fica claro pelo logo no início do texto, este blog é parceiro da Editora Intrínseca, e por isso tenho escolhido alguns livros dentre uma lista que eles oferecem. Comecei com O Diário de Helga, depois Comandante, e, em seguida, O oceano no fim do caminho. Como não havia escolhido nenhum “Best seller” ainda, quis arriscar-me com este. Vi alguns reviews e parecia que eu havia sido injusto, que, afinal, o livro não seria “tão ruim”.

Foi exatamente com este espírito que resolvi ler Garota Exemplar. “Pelo blog!”, eu parecia dizer a mim mesmo.

Eis que começo a ler e não quero parar. A escritora é habilidosa, sabe tecer muito bem a história, desenvolver os personagens, trabalhar as angústias e limitações de cada um, criar tensão, preparar armadilhas, surpreender… Mais do que isso, ela às vezes se arrisca em algumas descrições, comparações, figuras mais ousadas e que dão certo.

Garota Exemplar tem 443 páginas, nem curto demais, nem longo demais (falarei sobre isso adiante). Narra a história de um casal de quase quarenta anos que vivia em Nova York, Nick e Amy. Ele, um jornalista vindo do Missouri que acaba de perder o emprego. Ela, uma escritora de testes de personalidade que também ficou desempregada. Amy é filha de um casal de psicólogos, autores de uma série infanto-juvenil chamada Amy Exemplar, adotada em quase todas as escolas dos Estados Unidos. Como é possível perceber, a Amy Exemplar do livro foi inspirada na Amy, filha única deles. Isso deixa Amy numa situação esquisita: por um lado, as pessoas que acompanharam a série ao longo dos anos tendem a imaginá-la justamente a garota exemplar, aquela que sempre toma a decisão certa; por outro, ela própria às vezes tenta seguir o caminho oposto, para provar que tem vida própria, mas não consegue de desvencilhar da imagem da menina que tem tudo e de quem se espera tudo.

Nick vem de uma família tradicional no que diz respeito aos seus problemas: seu pai era um tremendo machista, sua mãe o suportou até um determinado momento, quando se separou e “finalmente começou a ser feliz”. Sua irmã gêmea, Go, nunca conseguiu se firmar num relacionamento, e ele próprio é um homem silencioso, um tanto desorganizado e que muitas vezes não consegue evitar o comportamento “filhinho da mamãe”. Amy, por sua vez, é uma garota brilhante, inteligente até não poder mais, e que gosta de ter sua vida sempre dois, três lances adiante.

Claro que essas informações sobre a personalidade deles não são entregues assim, em um parágrafo, mas ao longo do livro, de maneira fluída, e este é um dos méritos do livro. Os personagens são construídos de maneira bem convincente, mesmo quando tomam atitudes surpreendentes (e serão várias ao longo do livro).

Nick e Amy viviam em Nova York seu conto de fadas particular até ambos perderem o emprego. A mãe de Nick entra num estágio avançado de câncer e ele resolve, sem discutir com sua esposa, voltar para a sua cidade, no Missouri (porque é a coisa certa a se fazer). Amy o segue, mas não muito satisfeita. Ela gostava de Nova York, gostava de seu apartamento, de seu padrão de vida e detestou a ideia de ir até um estado no meio dos EUA, longe da civilização. Resolve, entretanto, ir com seu marido, porque, afinal, é a coisa certa a se fazer.

Lá a relação deles começa a se desgastar. O marido pega emprestado boa parte do dinheiro que ela recebeu dos seus pais como “compensação” por usar seu nome na série e monta um bar chamado “O Bar” com sua irmã. Ele está sempre estressado por conta da falta de dinheiro, não tem mais disposição para ser atencioso e amoroso com sua esposa, chega tarde da noite, já não têm relações sexuais como antigamente, enfim, os clichês mais comuns do gênero (o que não é uma crítica ao livro, já que a autora explora justamente estes clichês para construir sua história.

No dia em que eles completam cinco anos de casamento, Amy some. Há sinais que sugerem invasão à casa deles, e Nick não tem um álibi convincente sobre onde estava no horário em que ela sumiu. Mais do que isso, começam a aparecer cada vez mais evidências que levam todos a crer que ele pode realmente ter alguma coisa a ver com o sumiço (assassinato?) de sua esposa. Enquanto isso, ele estranhamente parece calmo demais para um marido que acabou de perder a esposa.

Basicamente este é o mote que estabelece o livro, que é contado a partir dos pontos de vista de Nick e Amy. Cada um tem direito a um capítulo, de maneira intercalada. A ele pertence a narração, já a parte dela é tirada de trechos escolhidos de seu diário. Até certo ponto, é claro. Depois… Depois acontece uma grande reviravolta, lá pela metade do livro, e a história começa a ficar mais ousada. A autora tem a oportunidade de mostrar que fez o dever de casa, ao subverter uma porção de coisas apenas para mostrar, em seguida, que sim, tudo aquilo já estava lá, nós que não havíamos notado.

O livro prende a atenção. Como é praxe em muitos livros, cada capítulo termina com uma pequena surpresa, com um gancho que vai ser resolvido apenas dois capítulos depois, já que o próximo sempre será dedicado ao outro cônjuge. Eu me peguei várias vezes, na última página de um capítulo, com os olhos pulando para a última linha para tentar antecipar a surpresa, o que para mim também é um excelente sinal.

Apesar de, como falei, a autora nos preparar, construindo convincentemente os personagens, para tudo, o desfecho é forçado demais. Sim, é perfeito, não há “loose ends”, tudo amarrado, tudo justificado. Não há buracos no roteiro. Mas é artificial, incrível no sentido mais literal da palavra. Não dá para acreditar que, na vida real – e vida real é o que a autora vende no livro o tempo todo, com os famosos clichês, lembram? – as coisas se ajeitassem daquela forma.

Essa foi, para mim, a principal insatisfação com o livro.

A segunda foi o ritmo, que era frenético do início até cerca de oitenta por cento do livro. Até então você parece ter visto tudo, todo tipo de reviravolta e a tensão chegou ao limite. Aí a autora parece cair na armadilha do “force mais, veja até onde eles aguentam”, típica do seriado americano Uma Família da Pesada (Family Guy). Se você nunca viu este seriado, é uma versão hardcore d’Os Simpsons (sim, eu sei, todos fazem esta comparação, até eles). Eles apostam em piadas que vão até o limite do suportável – na verdade, normalmente eles ultrapassam em muito esse limite e testam até onde é possível ir. Alguns exemplos são a famosa luta de Peter com um galo gigante, que em determinado episódio dura muito, muito, muito mesmo, e situações como um Stewie insistindo numa ideia e repetindo, repetindo, repetindo até aquele momento em que todos concordam que ele já deveria ter desistido. Bem depois do momento que faria Quico começar seu famoso bordão.

Sei que fiz uma viagem grande, mas os capítulos finais (as últimas noventa páginas, pelo menos, e aqui retorno àquela questão de o livro ser longo/curto) do livro soaram bem assim pra mim. É como se a autora tivesse se envaidecido e estivesse tentando dizer: “Vejam como eu planejei bem este livro. Eu posso continuar e continuar com a história e você nunca vai ter que perguntar ‘E se…’, porque eu cobri todas as possibilidades, e você não vai acreditar como isso aqui vai terminar”.

O livro terminou e posso dizer que a leitura não foi nenhum sacrifício. Pelo contrário, estas falhas ao final apenas tiraram um pouco do brilho de Garota Exemplar, mas a história é bastante divertida, foram diversos os momentos de tensão e o livro cumpriu bem seu objetivo de entreter.

Enquanto lia, não pude deixar de lembrar-me de Super Cine. No meu imaginário de pré-adolescente/adolescente, os filmes do Super Cine sempre eram thrillers, suspenses, bem ao estilo Dormindo com o inimigo. O tempo todo eu me imaginava vendo Garota Exemplar, o filme, o que, aliás, não deve demorar muito. O livro é muito, muito cinematográfico.

Como falei no início do texto, este é o primeiro thriller que leio, mas arrisco-me a dizer que se houvesse uma cartilha de livros de suspense, se houvesse uma avaliação de obediência ao padrão ISO 25000 dos thrillers, Garota Exemplar passaria com louvor, sem uma ressalva sequer. E este é um ponto não exatamente negativo, mas que dá ao livro uma cara de produção em massa, em que todos os itens foram checados:

– Prosa competente, estrutura adequada – OK

– Personagens verdadeiros, carismáticos e convincentes – OK

– História ancorada na vida real, do tipo “poderia acontecer com seu vizinho” – OK

– Reviravoltas e reviravoltas e mais reviravoltas – OK

– Final surpreendente – OK

Etc. etc. etc.

Acho que deu para entender.

Finalizando (finalmente!), Garota Exemplar é diversão certa para quem gosta de ler. Se você gosta de thrillers, aí tenho certeza de que vai gostar ainda mais.

Minha Avaliação:

3 estrelas em 5.

Anúncios

10 Respostas para “Resenha – Garota Exemplar – Gillian Flynn

  1. Pingback: Sorteio – Garota Exemplar – Gillian Flynn | Catálise Crítica

  2. Parabéns pela crítica, tudo o que realmente achei do livro, que é uma história muito bem escrita e detalhada e ao mesmo tempo consegue ser enfadonha e surreal em seu final.

    • Que bom que você gostou, Lauana. Como deixei claro no texto, não acho que o final tenha estragado o livro, apenas tirou um pouco do brilho.

      Mas a leitura vale a pena sim. E vou conferir a versão cinematográfica, sem dúvida.

      Obrigado pela visita e volte sempre!

  3. Parabens pela critica. Li antes de comprar o livro e posteriormente. Impecavel!! Penso que nao dever ser facil sintetizar um livro em algumas linhas sem estragar o prazer das surpresas que acontecem no livro..

    • Obrigado, Marcello.

      E você, gostou do livro?

      Uma das minhas preocupações quando escrevo é justamente não entregar spoilers. Lembro que por conta da minha curiosidade na época em que estava lendo a saga As crônicas de gelo e fogo, fiquei sabendo numa resenha do casamento sangrento. Pode imaginar a raiva que tive de mim mesmo e do resenhista, que não avisou que o texto continha spoilers?

      Agradeço mais uma vez pelo elogio e faço o convite para você explorar as muitas resenhas do blog.

      Abraços!

      • Leonardo,
        Gostei do livro sim. Prendeu. Acho interessante essa maneira de alguns escritores de, em cada capitulo, a personagem dar sua visão dos fatos. Apenas o final foi um pouco decepcionante. Para mim bem surreal.
        Continuarei acompanhando as resenhas do blog e recomendando para amigos que apreciam a leitura. Abracos!

  4. Pingback: Top 10 – Leonardo | Catálise Crítica

  5. Olá,
    Acabei de ler o livro e concordo com a sua crítica. Em nada se comparou meu sentimento de decepção do final com a surpresa que tive na metade do livro.
    Adorei os capítulos dedicados à Amy. Fiquei fascinada – até mesmo obcecada, com sua inteligência, narcisismo e capacidade de manipulação. Eu li em algum lugar que a adaptação terá um final diferente. Talvez possamos ver um desfecho à altura (Torço secretamente pela Amy).

  6. Está aí um livro que me decepcionou muito. Por não encontrar quase nenhuma resenha depreciativa e amar thrillers, achei que me esbaldaria na leitura, mas não foi o caso. Achei-o arrastado, não vi nada de sensacional na considerada “grande virada da história”, algo que outros escritores fizeram e com muito mais competência. Agatha Christhie por exemplo em mais de uma obra usou deste recurso de ilusão narrativa. E destestei a Amy. Mas entendo o sucesso do livro e dei minha opinião em meu blog. Se quiser dar uma conferida. E parabés pela resenha.Ai9nda aprendo a escrever assim. Te seguindo.

    http://porquelivronuncaenguica.blogspot.com.br/2014/05/sete-livros-sete-resenhas.html

    • Vou conferir agora mesmo, Ronaldo. Como falei no texto, gostei do livro, apesar do final ser muito forçado para ser perfeito. Mas li sem muitas preocupações, sem muitas exigências e me diverti no processo. Abraços!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s