Rosto de caveira, os filhos da noite e outros contos – Robert E. Howard

capa rosto de caveira

Por Eduardo

Robert Ervin Howard foi um grande escritor americano, criador e ainda hoje maior representante do gênero de literatura fantástica “sword and sorcery”, ou “espada e feitiçaria”. Esse gênero é simplesmente sensacional. Dentro do sub-gênero de literatura fantástica de fantasia, encontramos a fantasia épica, onde há grandes heróis capazes de feitos morais e às vezes físicos além do humano para realizar grandes missões de salvar o mundo (Senhor dos Anéis), realistas/políticas (como As crõnicas de gelo e fogo), e aqui nesse meio incluímos o gênero de Howard, onde os personagens principais não almejam a paz mundial, e o bem estar de todos (geralmente os objetivos são egoístas ou simplesmente particulares – enriquecimento ou vingança, por exemplo), e a magia é tratada como algo realmente sobrenatural, e muitas vezes perverso. Conan é a principal obra do gênero.

Infelizmente ainda não tive a oportunidade de ler contos ou o romance de Conan (que deu origem ao filme); na verdade essa coletânea de contos é o meu primeiro contato com Howard, que é bem pobre em questão de obras traduzidas pra pt-br… Essa edição da Martin Claret é muito bonita, a capa com a caveira ficou bem legal, e a diagramação interna, com cores em laranja, ficou linda. Some-se a isso o preço acessível do livro, e não há desculpas para não adquiri-lo e conhecer mais sobre esse grande autor e sua obra.

Continuar lendo

Anúncios

Resenha -O arqueiro e a feiticeira – Helena Gomes

capa_arqueiro_final

Por Eduardo.

Conforme falei no post sobre O espadachim de carvão, tenho buscado os autores brasileiros – de literatura fantástica, pois acredito muito no potencial destes livros, e esse é o meu tipo ou ramo de literatura preferido. Um dos primeiros livros que me chamou a atenção, neste quesito, foi esse livro de Helena Gomes, através de uma adaptação para RPG, sistema GURPS, que apareceu na extinta revista Dragão Brasil. A adaptação dava uma noção do livro, dizendo que os protagonistas eram crianças, o mundo, Britânia, era uma versão da nossa idade média, com magia, só que a magia era algo secreto, operado por poucos, e uma ameaça terrível dos Nergals, apesar de não explicar muito bem o que eram os Nergals. Na época eu deveria ter, não sei, 14 anos; isso me despertou a curiosidade, e eu reli várias vezes essa matéria na revista. Continuar lendo

Resenha -A dançarina do cabaré – Georges Simenon

A dançarina do cabaré

Por Eduardo

Neste fim de semana voltei a experimentar uma das melhores sensações para um leitor assíduo: comprar um livro e lê-lo imediatamente. Isso pode não parecer coisa demais para a maioria, mas sofro do mal de muitos: compro muito mais do que sou capaz de ler, pois para mim livro é quase uma obsessão. Sempre fico olhando os sites das livrarias, acompanhando livros que desejo, e descobrindo livros novos, com isso acabo, eu e meus irmãos do blog também, acumulando livros na estante. Mas ontem passei na livraria e comprei esse romance de Simenon. Continuar lendo

Resenha – A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça – Washington Irving

untitled

Por Eduardo

Alguns anos atrás, em uma daquelas visitas a uma livraria apenas para olhar e procurar novos tesouros, encontrei uma edição de O mágico de Oz, publicado por um selo da Leya: Barba negra. A edição era muito bonita, e me chamou a atenção logo de cara. Comprei sem pestanejar, e fiquei bastante curioso para acompanhar os outros lançamentos, que até onde eu vira eram: O fantasma de Canterville, O corcunda de Notredame, e este A lenda do cavaleiro sem cabeça. Títulos interessantes, clássicos, em edições originais, ilustradas. Infelizmente a coleção e o selo foi descontinuado. Mas continuei com o interesse, e recentemente reencontrei um volume dessa coleção vagando solitário pelas estantes da mesma livraria, e aproveitei a oportunidade. Continuar lendo